Domingo |
À procura da Palavra
O que sobra, ou tudo?
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO XXXII COMUM Ano B

“Na sua pobreza, ofereceu tudo o que tinha,

tudo o que possuía para viver.”

Mc 12, 44

 

Costumamos dizer que o importante não é a quantidade, mas a qualidade. E é verdade, principalmente quando os frutos são poucos, mas até são saborosos, ou a produção em massa acaba por desvalorizar o produto. Em contraponto, o evangelho e a primeira leitura deste domingo, apresentando como heroínas inesperadas duas viúvas, revelam-nos uma novidade: o que é verdadeiramente importante é a totalidade. Quando o pouco é tudo confirma-se o dito popular: “o pouco com Deus é muito, e o muito sem Deus é nada”!

Sempre as mulheres foram heroínas de segundo plano e tem sido lento e doloroso o seu reconhecimento na sociedade. Do judaísmo onde havia uma oração (de homens!) em que se dizia “Dou-te graças ó Deus… por não ter nascido mulher!”, a tantas realidades ainda actuais de exploração, injustiça e violência, muito se evoluiu mas há ainda tanto a mudar! No contexto hebraico uma viúva era duplamente pobre: por ser viúva, não herdando nenhuns bens do marido, e por ser mulher! Deus revela a sua preferência pelos pobres, e Jesus anda na sua companhia, anuncia-lhes a Boa Nova do amor que transforma a vida, não faz distinções de pessoas.

 

Por entre a multidão que circulava no Templo, Jesus observa. Vê ricos que lançam avultadas ofertas na arca, e vê a humilde e discreta viúva que coloca duas pequenas moedas. São duas riquezas diferentes: a de quem é rico e pode dar o que sobra, e a de quem é rico porque dá tudo o que tem. A primeira é a famosa riqueza acumulativa, ostensiva, quantas vezes aumentada à custa de pessoas e países mais pobres, geradora de um fosso crescente entre ricos e pobres, alimentada e justificada por políticos e economistas credenciados. A outra é a riqueza que não endeusa os bens, que os oferece generosamente, que se faz dom de si mesmo e não apenas de coisas, que valoriza o que cada um pode dar, e acode quem verdadeiramente precisa. Uma é riqueza que mata (uns pelo excesso e outros pela penúria!), a outra é riqueza que dá vida (porque a transforma, e põe tudo e todos ao serviço do maior bem).


Somos responsáveis pela vida como primeiro dom, e por todas as outras realidades que possuímos. Pela vida de cada um e pela vida dos outros! O que nos faz ricos não é o que acumulamos, mas o que é dado por amor. Aprender isto da viúva anónima do Evangelho foi o que Jesus pediu aos discípulos. E pede-nos a nós. Porque Ele o fez, totalmente dado ao Pai e a nós. Podemos ser seus amigos sem dar tudo?

com o P. Vítor Gonçalves (ilustração por Tomás Reis)
A OPINIÃO DE
Pedro Vaz Patto
De entre as muitas mensagens que recebi sobre a pandemia do Covid-19, uma reteve especialmente a minha...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Onde está a Igreja nesta guerra mundial, que é a pandemia do coronavírus? Está, como sempre esteve, na...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES