Na Tua Palavra |
D. Nuno Brás
Sinceridade

Alguém é sincero quando existe correspondência entre aquilo que diz e o seu pensamento. Habitualmente, dizemos que somos sinceros quando mostramos por palavras ou por gestos o que nos vai no coração.

É por isso que muitos não gostam da oração litúrgica. Acham que não é sincera. Pensam que estar sozinho diante de Deus, numa igreja silenciosa; poder escutá-Lo no que Ele tem a dizer a cada um; dizer-Lhe espontaneamente aquilo que sentem no momento; falar com Ele desabafando, pedindo socorro ou partilhando uma alegria – pensam que essa é uma oração muito mais honesta, melhor, mais sincera, menos formal.

Claro que tudo isso é importante, mesmo decisivo na nossa vida cristã. A oração “é falar de amizade”, dizia Santa Teresa de Jesus. Mas daí não se segue que a oração pessoal diante de Deus seja melhor ou mais sincera que a oração litúrgica.

É que “sinceridade” não se aplica apenas quando a voz diz o que nos vai no pensamento ou no coração. Também se aplica à atitude humana em que o coração segue, adere, faz suas as palavras que são escutadas, as frases proferidas, as atitudes corporais que assumimos. Também aí existe sinceridade. Nesse caso, não é a palavra a seguir o coração, mas o coração a seguir a palavra, a deixar-se transformar por ela.

E esse é o caso da liturgia. Quando rezamos em comunidade o Pai Nosso, o nosso coração é convidado a mudar, a aderir às frases que rezamos. Quando participamos e rezamos na liturgia, o nosso coração é convidado a rezar de tal modo que se deixe transformar pela liturgia, pelas suas palavras, pelos seus gestos, pelos seus cânticos, pela sua beleza e pelos seus silêncios – porque nem nos passa pela cabeça a mentira!

E recordemos que a liturgia tal como hoje a celebramos são as palavras, os gestos, os silêncios que a Igreja foi decantando, purificando ao longo dos séculos. Nelas encontramos o caminho dos grandes santos, dos grandes mártires, dos grandes pastores, dos grandes místicos. E o nosso coração é convidado a deixar-se transformar, moldar pelas palavras, pelos gestos, pela beleza da música e do canto, pela própria comunidade que reza a uma só voz e pela profundidade viva do seu silêncio. E a deixar-se, sobretudo, converter pelo próprio Jesus que assegurou estar presente quando dois ou três se reunissem em seu nome. E é daí, da liturgia e na liturgia, que aprendemos a regra da fé e nos deixamos medir e moldar por ela.

Longe de nos fazer perder em sinceridade, a liturgia é antes um lugar excelente para a exercitarmos. Só que cada um de nós deixa de ser o centro do mundo. Cristo e a sua presença passam a ser o centro da nossa vida!

A OPINIÃO DE
António Bagão Félix
Há poucos meses, a actual legislatura começou com a excitada prioridade dada à eutanásia travestida de morte clinicamente assistida.
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Na normalidade possível da situação de pandemia que vivemos e das férias para quem delas puder usufruir,...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES