Domingo |
À procura da Palavra
Baptizado, hoje
<<
1/
>>
Imagem

BAPTISMO DO SENHOR Ano C

“Quando todo o povo recebeu o baptismo,

Jesus também foi baptizado.”

Lc 3, 21

 

Durante alguns anos julguei que me lembrava do meu baptismo. Do padre e dos meus pais, da pia e da água a cair na minha cabeça, da igreja no centro da cidade do Lobito. É claro que não podia lembrar o que me aconteceu com dois meses de vida, mas foi o baptismo do meu irmão ou dum primo, pelos dois ou três anos, que em mim ficou gravado. A fotografia enviada aos meus avós mostra um bebé num lindo vestido, num banco do fotógrafo Quitos! Poucos lembramos o dia do nosso baptismo, mas isso não tira força ao que aí começou.


Descobri mais tarde a diferença entre dizer “fui baptizado” e dizer “sou baptizado”. É a surpresa do encontro com Jesus Cristo vivo, na diversidade da sua presença, especialmente em testemunhas cheias do Espírito Santo. E a descoberta da Igreja, não como clube de perfeitos mas comunidade de pessoas, frágeis e admiráveis, Igreja santa e pecadora, a escutar, a tentar viver, e a espalhar as palavras vivas do Senhor Jesus. E continuo a entrar no baptismo como fonte de vida e graça que não se esgota. Não é algo simplesmente do passado, que uma fotografia e um registo assinalam. É do presente, e vai ser do futuro, na surpresa de saborear o que é ser filho amado de Deus, com irmãos de toda a parte. Na alegria de ser padre lembro o que dizia Santo Agostinho: Para vós, sou Bispo; convosco sou cristão. Nome de serviço, o primeiro; de salvação, o segundo.” 


Para além de um confronto entre baptismo de crianças ou baptismo de adultos, é fundamental a autenticidade e a verdade com que ele é uma decisão importante para os pais de uma criança e para os próprios. Uma decisão aprofundada no conhecimento de Cristo, uma opção de vida renovada pelo Evangelho, um futuro empenhado na transformação do mundo. É grande ainda a força da tradição esvaziada de sentido, e da festa, sem caminho antes nem depois, no baptismo de crianças. Falta um dinamismo maior na proposta da fé aos adultos e um acolhimento feliz de quem duvida e faz perguntas! É preciso passar do banho que facilmente seca, para a torrente que leva vida e floresce os desertos!


Baptismo tem sabor de princípio! Fala mais do presente e do futuro. Revela o amor primeiro de Deus, que não está dependente dos nossos sucessos, mas se dá todo, e em cada momento. Tantas vezes mal-amados e desencantados por amores tipo “toma lá, dá cá”, é difícil acreditarmos que somos “filhos muito amados”. Deus não espera os nossos “melhores resultados” para um prémio proporcional, pois Ele “ama sem medida”, parafraseando Santo Agostinho: “A medida do amor é amar sem medida”. Nunca é tarde para viver a alegria de ser baptizado!

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
O Patriarca de Lisboa e o Bispo de Aveiro, Presidente da Comissão para a Educação Cristã e Doutrina...
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Começo por lembrar sentidamente a partida de Frei Mateus Cardoso Peres, O.P. (1933-2020), personalidade...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES