Domingo |
À procura da Palavra
Sabem, querem, e fazem…!
<<
1/
>>
Imagem
DOMINGO IV COMUM Ano C

“Jesus, passando pelo meio deles,

seguiu o seu caminho.”

Lc 4, 30

 


Podemos reconhecer estes atributos nas pessoas decididas e promotoras de desenvolvimento. “Saber”, “querer” e “fazer” não são ideais que nos motivam como humanos? Contudo, aplicados aos conterrâneos de Jesus, na sua apresentação como profeta na terra que o viu crescer, foram sinal de atrofia e dureza de coração e pensamento. Ao longo da história e em tantos lugares, com outros homens e mulheres, revestidos de espírito profético, conscientes ou não do projecto de Deus, agindo para libertar e salvar a humanidade, a mesma arrogância tem-se manifestado.


É grande a tentação de julgar que se sabe tudo. Que se conhece bem quem cresceu ao nosso lado. A passagem da admiração diante das palavras da Jesus à convicção de que o conheciam muito bem é surpreendente. Fecharam a mente e o coração à novidade com os ferrolhos da presunção. Como Jesus desafiava os habituais esquemas religiosos e pedia um suplemento de coração, era mais fácil contestar a sua origem. Assim aconteceria durante a sua vida pública: os mais letrados, os especialistas das Escrituras, os que esperavam um Messias justiceiro e vingador, os satisfeitos da religião, os que tinham negócio montado com o Templo e com os governantes, os que “fiscalizavam” a religião dos outros, “sabiam” que Jesus não podia vir da parte de Deus! É o saber que não admite interrogação, abertura, maravilhamento perante a absoluta novidade do amor gratuito de Deus!


Queriam sinais extraordinários para acreditar. Milagres para alimentar uma “fé” que não nos transforma nem compromete, mas põe Deus ao nosso serviço. Não vai ser essa a última tentação feita a Jesus? “Salvou os outros; salve-se a si mesmo, se é o Messias de Deus, o Eleito” (Lc 23, 35), dirá o povo no calvário. Queriam, e não queremos nós, sinais extraordinários que dissipem as dúvidas, ponham ordem em tudo o que nos dá trabalho, resolvam as imperfeições, nos façam pedir “bis, bis”? O que não queriam, nem queremos (?): acolher a palavra e a pessoa de Jesus, a ser Deus-connosco, a fazer-nos profetas que vivem e anunciam um mundo novo de irmãos, que não pactuam com a injustiça e a falta de amor, e aprendem a dar a vida.


Por isso, fizeram o que é costume: expulsaram-no da cidade, e tentaram precipitá-l’O de um monte. É a Páscoa anunciada, e repetida nos profetas de todos os tempos. Aos filhos ilustres de uma terra costuma oferecer-se as chaves da cidade, por entre homenagens várias. A Jesus, apontaram a porta de saída, e já agora, do mundo, “porque estamos bem, obrigado, e o deus que nos trazes vem pôr em causa esta vida a que nos habituámos”!


É importante “saber” mas o que sabemos e como sabemos? É importante “querer” mas o que que queremos e quem queremos? É importante “fazer” mas o que fazemos e porque fazemos? Jesus que passou no meio deles e seguiu o seu caminho, como continua a interpelar-nos?

P. Vítor Gonçalves
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
P. Nuno Amador
Joker, de Todd Phillips, é um filme sublime e perturbador. Sublime na lentidão certa com que nos dá...
ver [+]

Isilda Pegado
1. Na Universidade diziam-nos que quando entra a Justiça, já não há Família. E por isso, o chamado...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES