Mundo |
A aventura de viver Deus na oração e na partilha dos gestos do dia-a-dia
Pequenas coisas
<<
1/
>>
Imagem

Sonhou com um bom marido e muitos filhos. Uma grande família. Deus fez-lhe a vontade. Hoje, a Irmã Júlia vive numa ordem contemplativa – a Congregação de São Bento, na Ucrânia – e diz que recebeu Jesus como esposo. O sorriso com que embala as palavras é a prova de que é feliz. Tudo o que faz no dia-a-dia é em função de Deus. Mesmo as coisas insignificantes. Especialmente as coisas mais insignificantes…

 

“Deus escutou as minhas preces.” Júlia tinha um sonho. Casar, ter uma grande família, muitos filhos. Uma vida cheia. Júlia rezou muito. Pediu a Deus para escutar a sua oração, o seu pedido. O seu sonho. Júlia procurava um marido, mas Deus deu-lhe muito mais. Deu-Se. Júlia foi uma rapariga normal, uma boa estudante. Acabou o curso de medicina para seguir os passos de sua mãe, médica, mas essencialmente para ajudar as pessoas, ajudar os outros. “Sempre quis ajudar os outros”, diz, sorrindo. Desde pequena que Júlia se tinha habituado a falar com Deus, a tagarelar com Ele. A rezar. Desde pequena que Júlia lhe pedia uma vida cheia, uma vida feliz. Desde pequena que Júlia se via com crianças à volta. Se possível, muitas crianças. 

 

Muito mais

Um dia, Júlia descobriu a Congregação das Irmãs de São Bento. Houve um clique. Uma mudança inteira na sua vida estava para acontecer. Ali dentro, no mosteiro, naquela casa, viviam algumas mulheres consagradas. Visto assim, de fora, as suas vidas resumiam-se a momentos de oração e de trabalho. Visto com os olhos enamorados de Deus, Júlia descobriu muito mais. “Nós vivemos no mosteiro para ajudarmos o mundo com as nossas orações.” São apenas algumas mulheres. Até são relativamente jovens. A mais nova tem apenas 24 anos e a mais velha 68. Ao todo, são 18 irmãs. São 18 vozes juntas a rezar pelo mundo. Por todos nós. Por cada um de nós.

 

Humanidade inteira

Júlia quando entrou no mosteiro transformou-se por completo. Entregou-se. A sua vida seria, desde então, apenas para cumprir a vontade de Deus. Hoje, a Irmã Júlia sorri quando olha para trás, para as suas dúvidas e expectativas. A Irmã Júlia sorri quando pensa nos filhos que não teve e repara na humanidade inteira que abraçou quando decidiu seguir a vida religiosa. “Eu experimentei o amor”, diz-nos, como se tivesse de explicar como uma jovem, formada em medicina, pode trocar uma carreira de sucesso por uma vida enclausurada num mosteiro. “O amor trouxe-me aqui.” A vida no mosteiro é simples. As irmãs rezam e trabalham. “A nossa vocação não é uma escolha, mas a resposta a um chamamento.”

 

Pretexto para oração

O mosteiro onde vive a Irmã Júlia tem uma pequena quinta. As irmãs tratam dos animais, da agricultura. De tudo. São elas que cozinham, são elas que lavram o campo, que podam as árvores, que limpam o chão dos dejectos dos animais. Nada ali é insignificante. Para as irmãs, cuja missão principal é a adoração perpétua de Deus, cada pequeno gesto, até o cortar da lenha, o polir os objectos litúrgicos, o mexer a comida ao lume, é pretexto para um instante de oração. De uma oração que não tem começo nem fim. As irmãs rezam como respiram.

 

Missão irrecusável

Quando entrou no mosteiro, a Irmã Júlia despediu-se um pouco de si própria. A princípio não foi fácil para os seus pais aceitarem uma opção tão radical. Aos poucos, porém, compreenderam que ali dentro, no mosteiro, ela tinha uma missão irrecusável para cumprir. Ela não vive mais para si, para os seus sonhos ou desejos, para a sua carreira. Tudo o que a Irmã Júlia faz agora no dia-a-dia é em função de Deus. “A nossa pobreza é não escutarmos Deus.” Por isso, a Irmã Júlia e todas as outras 18 irmãs do mosteiro de Zytomierz, na Ucrânia, dão tanta importância a todos os gestos do dia-a-dia. É que Deus está presente em tudo. Mesmo nas coisas insignificantes. Especialmente nas coisas insignificantes… 


_____________


A Congregação de São Bento é apoiada directamente pela Fundação AIS. Quer ajudar a Irmã Júlia na sua vida de oração e trabalho na Ucrânia?

texto por Paulo Aido, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Erram os que pensam que o mistério da paixão e morte de Cristo é algo passado e que, portanto, não lhes diz respeito.
ver [+]

P. Nuno Amador
Quando as mulheres foram ao sepulcro de madrugada, o primeiro sinal que encontraram foi o túmulo vazio.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES