Liturgia |
Os Padres da Igreja ao ritmo da Liturgia
«O que Se chama ‘Eu sou’ enviou-me a vós»
<<
1/
>>
Imagem

Não quero que ignoreis que os nossos pais estiveram todos debaixo da nuvem, passaram todos através do mar e na nuvem e no mar, receberam todos o baptismo de Moisés. Todos comeram o mesmo alimento espiritual e todos beberam a mesma bebida espiritual. Bebiam de um rochedo espiritual que os acompanhava: esse rochedo era Cristo. (I Cor. 10,1-4)

 

Santo Agostinho, doutor da Igreja, nos séc. IV-V, como bispo de Hipona, dedicou-se à pregação ao povo que lhe estava confiado. Num dos seus sermões do início da Quaresma, Sermão 210, 1.1-10.12, pregou:

Chegou o tempo solene que nos convida a humilhar as nossas almas e a mortificar os nossos corpos através da oração e do jejum, com maior intensidade que em qualquer outra época. Porque é que este tempo surge quando se aproxima a solenidade da Paixão do Senhor? Qual é o mistério que se celebra no número quarenta?... Porque é que o próprio Senhor Jesus Cristo ... jejuou, não antes, mas depois de ter sido baptizado... e nós, ao contrário, jejuamos com os que vão ser baptizados nos dias que precedem o seu baptismo, que tem lugar no início do dia de Páscoa, a seguir ao qual suspendemos os jejuns durante cinquenta dias? Isto poderia ser causa de perturbação, se apenas fosse permitido baptizar ou ser baptizado na solenidade da Páscoa. Mas, como o baptismo não é proibido durante todo o ano, segundo a necessidade ou a vontade de cada um, e a celebração do aniversário da Paixão do Senhor só é permitida num determinado dia do ano que se chama Páscoa, sem dúvida alguma há que distinguir sacramento do baptismo e Páscoa. O baptismo pode receber-se em qualquer dia; a Páscoa só é lícito celebrá-la num determinado dia do ano. Aquele concede-se para dar uma vida nova; esta recomenda-se para perpetuar a memória dos mistérios. O facto de neste dia acorrer um número muito maior de baptizandos, não se deve a que a graça salvadora seja mais abundante, mas a que a maior alegria da festa convida a isso... Pelo facto de Cristo ter jejuado imediatamente depois de receber o baptismo de João, não temos de acreditar que estabeleceu uma regra a observar, como se tivéssemos necessariamente de jejuar depois de receber o baptismo de Cristo. Com o seu exemplo indicou-nos que devemos jejuar, sobretudo se temos de entrar em luta encarniçada com o Tentador... Esta é a razão pela qual nós jejuamos antes da solenidade da Paixão do Senhor e abandonamos os jejuns durante·os cinquenta dias seguintes... Na celebração anual (da Páscoa) volta a gravar-se, de certo modo, em nós, a memória daquela noite, para que o esquecimento a não apague, e o Inimigo, que ruge e devora, não nos encontre adormecidos, não corporalmente, mas no espírito... Sejamos como homens que esperam o Senhor que regressa das bodas ... , pois é chegada a hora da qual Ele disse: Vós estareis tristes...

É isso o que faz todo o corpo de Cristo, disperso por todo o mundo, isto é, a Igreja universal... O número cinquenta simboliza aquela alegria que ninguém poderá tirar-nos; na vida presente ainda não a gozamos, mas depois da solenidade da Paixão do Senhor, desde o dia da sua Ressurreição em que deixamos os jejuns, celebramo-la, fazendo ressoar o Aleluia em louvor e glória do Senhor…

Lembrai-vos principalmente dos pobres, e, dessa forma, depositareis no tesouro celeste aquilo de que vos privais vivendo mais sobriamente. Receba Cristo faminto, aquilo que o cristão, ao jejuar, recebe de menos. A mortificação voluntária sirva de sustento a quem nada tem. A escassez voluntária do rico seja a abundância necessária para o pobre. E habite também, no homem manso e humilde, a misericordiosa disponibilidade para o perdão. Peça perdão quem fez a ofensa e conceda-o quem a recebeu, para não cair nas mãos de Satanás, cujo triunfo é a discórdia entre os cristãos.

(Cl. CPL 284; PL 38, 1047-1054; CCL 41; NBA 32/1; Antologia Litúrgica 3784-3790.3794).

 

Foto:

Moisés descalça as sandálias antes de entrar na sarça ardente

Mosaico da parede da Basílica de São Vital, Ravena, séc. VI

Departamento de Liturgia do Patriarcado de Lisboa
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Foi há alguns dias que, na espaçosa capela de um colégio, presenciei uma cena que me deu que pensar.
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Celebram-se este ano cem anos do nascimento de Sophia de Mello Breyner, um sinal muito português e universal de talento, sensibilidade e sabedoria.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES