Domingo |
À procura da Palavra
Para onde vamos?
<<
1/
>>
Imagem
DOMINGO V DA QUARESMA Ano C

“Disse então Jesus: «Nem Eu te condeno.

Vai e não tornes a pecar»”.

Lc 8, 11

 

São de paixão as repetidas notícias de violência em contexto familiar, a que se dá o nome de “violência doméstica”. Explosões de muitas violências caladas e amordaçadas por medo e opressão, injustificáveis e desumanas, onde a lei do mais forte fere e mata os mais fracos, na maioria dos casos, crianças e mulheres. É a continuada Paixão de Cristo que tanto se identificou com os mais pequeninos, onde a indiferença de muitos e os preconceitos de outros continuam a permitir calvários! 


É com extrema violência que uma mulher, apanhada em adultério, é levada por escribas e fariseus até Jesus. Sozinha, no meio dos presentes, transformada em objecto, qual rato de laboratório, corre risco de vida, e nem aquele mestre parece ter poder para evitar o peso da Lei. Jesus, sentado como mestre que ensina, recusa o debate de ideias. Quantos mortos causaram na história da humanidade os debates de ideias? Inclina-se a escrever com o dedo no chão, e ao longo dos tempos muitos perguntarão que palavras teria escrito. Só uma outra passagem da Escritura fala de alguém que escreve com o dedo: Deus, nas tábuas da lei que entregou a Moisés no Sinais (Ex. 31, 18). Perante a insistência dos acusadores, Jesus levanta-se e interpela cada um ao reflexo da própria vida. Ninguém é superior a outro, a ninguém pode ser dado o poder de tirar a vida, e muito menos, usar o nome de Deus para se desresponsabilizar.

 

Não os confrontando com o seu olhar, Jesus inclina-se de novo e volta a escrever no chão. Acabam por ficar só Ele e a mulher. Agora, sim, há um olhar e um diálogo. Foi importante a pergunta de Jesus, que a trata por “Mulher”, reconhecendo nela a humanidade e a dignidade a salvar, uma história que pode ter um novo rumo. Como foi importante a resposta dela: “Ninguém, Senhor!”, expectante de algo profundamente novo e recriador que Jesus pode fazer. E como para Deus, mais importante do que “de onde vimos” é “para onde vamos”, as palavras de Jesus abrem um futuro novo e luminoso. Não é posta em causa a ferida que trazia, mas não se cura a doença com a morte do doente e sim com o remédio que traz saúde. Uma Lei, uma religião, uma ideia que leva à morte de quem falha, esquece o essencial da encarnação: estamos a caminho, e Deus nunca desiste de ninguém!


Quando deixamos de nos olhar bem no fundo dos olhos uns dos outros, quando legalismos e preceitos se tornam mais importantes do que a história de cada um, quando nos julgamos “mais” e “melhores” que outros e caímos na armadilha das comparações, diminuímos em humanidade. Não adianta “envernizar” o que é desumano com camadas de religiosidade ou preconceitos que aprisionam: se não há “caminho para andar” com outros (como canta o Jorge Palma), naquilo que digo e que faço, posso até achar-me muito certo e poderoso, mas estou mais morto que vivo! Para onde vamos?

com o P. Vítor Gonçalves (ilustração por Tomás Reis)
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Foi há alguns dias que, na espaçosa capela de um colégio, presenciei uma cena que me deu que pensar.
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Celebram-se este ano cem anos do nascimento de Sophia de Mello Breyner, um sinal muito português e universal de talento, sensibilidade e sabedoria.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES