Artigos |
Isilda Pegado
Uma família bela

Quer ela, quer ele, são pais muito bonitos, com grande responsabilidade na vida profissional e cujo casamento nos comove, em cada minuto. Abertos à vida, já viram nascer 7 filhos. Neste seu viver envolvem também a restante família (pais, avós, tios e primos) e não descuidam a amizade daqueles que com eles se vão cruzando nas mais diversas circunstâncias.

A Engenharia aeroespacial que o formou a ele ou, a Arquitectura em cujos bancos ela se sentou, são ferramentas que não só servem para o exercício de uma profissão mas, que usam para gerir a sua vida pessoal, o seu tempo e acima de tudo para se entregarem à família que estão a construir diariamente.

Quem com eles se cruza, fica fascinado com a beleza de cada gesto, a alegria que trazem no rosto, os trabalhos e canseiras que vivem com um escancarado sorriso na boca e, não deixam cair os braços. Os filhos são alegres e doces, rebolam-se pelo colo da avó ou da mãe, dão recados ao pai ou ao avô, fazem as perguntas próprias da idade, e brincam muito entre si.

Além da profissão e da família, este belo casal não vira costas às actividades cívicas, em que se empenham, como a Defesa da Vida ou da Família ou a Liberdade de Educação. Estão, quando é preciso estar. Fazem quando é preciso fazer (às vezes a altas horas). Sem queixumes. A Graça dá-lhes graça.

Mas, a vida não são só quimeras. E, a última filha que tiveram, quis Deus, que não tivesse condições para viver para além de umas escassas três horas. Souberam desde cedo, na gravidez, que a bebé tinha várias patologias graves.

Ao contrário do que é frequente nos tempos e nas circunstâncias, rodeados que estão por profissionais de saúde que com eles partilham o amor pela Vida, não tiveram que se debater com a proposta do aborto dito eugénico. Por isso a gravidez foi vivida com toda a responsabilidade até ao seu termo natural. Até que Deus quis. E, no tempo previsto, nasceu a filha mais nova.

A mana mais nova nasceu, viu os pais, os manos, os avós, recebeu os Sacramentos do Baptismo e do Crisma e depois partiu para o Pai. Disse-nos quem viu que, no hospital onde nasceu e perante as circunstâncias, médicos, enfermeiros e demais funcionários estavam extasiados com o que lhes era dado ver. A letícia de uma família.

A vida desta filha cumpriu-se integralmente naquelas três longas horas. Cumpriu-se para que nos seja testemunhado o valor da Vida, o valor de todas as Vidas, o valor infinito do Bem da Vida e da cada Vida.

A grandeza destes pais, belos, que souberam aceitar as circunstâncias daquela filha, tal como ela foi e é, constitui também um exemplo de Liberdade e de muito, muito Amor, perceptível a quem os rodeia.

Esta bela família não está isenta de dor e de provações, como se vê, mas a forma como abraça esta dor e provação é fonte de uma felicidade contagiante e muito bela.

Temos o privilégio, repito, privilégio, de os conhecer pessoalmente e de poder ter por esta família, amizade, estima e admiração. E estamos certos de que o valor das suas vidas é Luz para muitas outras pessoas que com eles se cruzam na vida.

É tão bom conhecer uma família Bela, que em cada circunstância responde com a beleza da Verdade. A Vida é dada.

Obrigada a esta família bela!