Mundo |
A aventura de um frade italiano no meio da Amazónia brasileira
Capuchinho pronto-socorro
<<
1/
>>
Imagem

Todos o conhecem. O Frei Gino usa uma barba branca, rala, que lhe cobre o pescoço como um colar. Tem uma voz branda com um indisfarçável sotaque italiano. Gino Alberati é padre mas ali, nas margens do rio Içá, na paróquia de Santo António de Lisboa, é mais do que isso. É alguém que doou a sua vida por inteiro às terras da Amazónia. É um amigo. Um amigo para todas as ocasiões. Um verdadeiro pronto-socorro.

 

Desde os anos setenta do século passado que Frei Gino Alberati dedica toda a sua atenção para com as pessoas que vivem, tantas vezes esquecidas, na floresta e nas margens dos rios na vasta região da Amazónia. Ele é padre e conselheiro. É assistente social, professor e amigo. E até faz de enfermeiro e médico se houver alguma urgência. Para este frade capuchinho, de quase 80 anos, não há tempo nem distância quando se trata de salvar a vida de alguém. Por ali, numa região escondida da civilização, onde os rios fazem as vezes das estradas, as populações estão longe de tudo, transformando tantas vezes o que pode ser uma insignificância em casos de vida ou de morte. Há tempos, uma criança foi picada por uma cobra. A administração de um simples antídoto bastaria para resolver o problema. Frei Gino conta a história. “A criança já estava a morrer por causa da picada da cobra, estava com quase 42 graus de febre. O pai precisou de um dia e meio para levá-la até ao posto de saúde, mas o posto não tinha o soro antiofídico porque não possuía energia eléctrica para o conservar.” O outro posto ficava a 70 quilómetros de distância. Não havia mais tempo a perder. “Entrámos no barco, percorremos o rio em alta velocidade e chegámos a tempo de ele tomar o soro, já era por volta da meia-noite.”

 

A tribo dos Tikuna
A disponibilidade de servir a comunidade transformou o Frei Gino num exemplo. A tal ponto que lhe foi atribuído o título de Cidadão do Amazonas. A sua base de trabalho está na paróquia de Santo António de Lisboa, situada na cidade de Içá. Ao todo são três missionários capuchinhos a que se juntaram dois noviços. Têm imensas pessoas para acudir. São mais de trinta comunidades que se estendem ao longo do rio que empresta o seu nome à cidade. E depois há as outras, pequenas aldeias, simples lugares que foram nascendo junto às margens dos outros rios. O Jacuracá, o Acuruí, e claro, o maior de todos, o Amazonas. Muitas destas comunidades são indígenas. Pertencem à tribo dos Tikuna. Para o Frei Gino, todos são seus paroquianos. Além dos cuidados pastorais, a Igreja está atenta às necessidades específicas de todas estas populações. Todos precisam de cuidados médicos, de ajuda na educação e na própria sobrevivência no dia-a-dia.

 

Salvar vidas pelo rio

A distância dos povoados, às vezes não são mais do que duas ou três cabanas perdidas na imensidão de verde, é um dos problemas mais complexos que se colocam à Igreja local. A jornada de ida e volta pelo rio Içá demora pelo menos vinte dias. Duas vezes por ano, Frei Gino faz questão de se meter no barco para se encontrar com estas populações ribeirinhas. É sempre uma viagem emotiva, feita de abraços, risos e lágrimas. De reencontros e despedidas. Ao longo do ano, Frei Gino faz ainda dezenas de visitas mais curtas a essas comunidades que estão tão longe dos olhares e das preocupações da sociedade brasileira. O barco, que a Fundação AIS ofereceu à paróquia de Santo António de Lisboa, tem ajudado, e muito, a encurtar os tempos das viagens, permitindo transportar mais pessoas. A mudança de um pequeno bote quase rudimentar para um barco moderno fez toda a diferença. “Antes, a minha embarcação era bem precária. Eu sabia quando partia, mas nunca sabia quando voltaria ou sequer se voltaria. Com este barco, além de todo o trabalho pastoral, também salvamos vidas.”

 

Bíblia das Crianças

A pobreza nunca é abstracta. Ali, na enorme Amazónia, o Frei Gino conhece os rostos dos seus paroquianos. Conhece os seus nomes e as suas dificuldades. Sabe por que riem e quando choram. Quando parte em missão rio acima, o frade capuchinho que adoptou a Amazónia como sua pátria celebra a Missa, casamentos, baptiza crianças e adultos e ouve os fiéis em confissão. É um padre de mochila às costas com quase oitenta anos de idade. Para ele, não há barreiras. Nem a língua é um obstáculo. Os índios Tikuna estão também no centro das suas preocupações. Desde 2006 que os capuchinhos têm trabalhado com esta comunidade indígena e são cada vez mais os que se sentem acolhidos na Igreja Católica. A tal ponto que surgiu a necessidade de se produzir informação catequética específica para as crianças desta comunidade. E foi assim que, com o apoio também da Fundação AIS, se procedeu à tradução e distribuição de cerca de 10 mil exemplares da ‘Bíblia das Crianças’ na língua local. Agora, por ali, falar tikuna não é mais uma barreira para as crianças aprenderem a rezar. É, isso sim, mais uma pequena vitória do Frei Gino, alguém que doou a sua vida por inteiro às terras da Amazónia.

texto por Paulo Aido, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre
A OPINIÃO DE
Pedro Vaz Patto
De entre as muitas mensagens que recebi sobre a pandemia do Covid-19, uma reteve especialmente a minha...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Onde está a Igreja nesta guerra mundial, que é a pandemia do coronavírus? Está, como sempre esteve, na...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES