Domingo |
À procura da Palavra
Na sombra e em silêncio
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO IV DO ADVENTO Ano A

“Ela dará à luz um Filho

e tu pôr-Lhe-ás o nome de Jesus”

Mt 1, 21

 

Há uma simplicidade maravilhosa em torno de José no mistério do Natal. Os holofotes iluminam preferencialmente Maria e o Menino; os magos vêm “o menino com Maria, sua mãe”, e José parece ficar na sombra. É uma sombra cheia de ternura e confiança. Sente-se a sua presença como uma asa que protege, como uma mão que segura e guia a história do Senhor que entrou na história. Nazaré, Belém, Jerusalém, Egipto, e de novo Nazaré. Sobre os seus passos seguros caminham Maria e o Menino. E Jesus será também conhecido como “o filho do carpinteiro”!


A paternidade de José é tão igual à de todos os pais, sempre “um pouco de fora” do milagre de vida que cresce no seio das mães. Em segundo lugar nos primeiros estremecimentos com que agitamos o coração das nossas mães, a tentar acarinhar-nos e a fazer chegar as suas vozes de mais longe. Não é inveja dessa comunhão maternal, pois o silêncio amoroso dos primeiros tempos não impedirá a sementeira de palavras e gestos da vida toda. A última vez que o evangelho de Lucas nos fala de José diz que Jesus lhe era submisso, aprendendo como o silêncio pode ser tão cheio de entrega e amor.


Em muitos sonhos falara Deus anteriormente aos homens. E era preciso revelar a participação de José no maior milagre da história. Mais do que, para nós, Deus gosta de fazer maravilhas connosco. José tinha de entrar de corpo inteiro neste projecto. Como esposo e como pai. Amando Maria e dando ao menino o nome de Jesus, inserindo-o na história humana e na linhagem de David. Na surpresa de uma vida virada do avesso, onde a verdade do amor de Deus se revela maior que tudo, José irá ajudar a crescer Aquele que quis ser Emanuel, “Deus connosco”. Na tarde daquele dia, teria tido pensamentos como estes que o poeta J. M. Valverde imaginou? “Nunca sonhei com tanto. Bastavam-me / os meus dias de martelo, e os aromas / de madeira e serradura, e a minha Maria / entretida ao fundo com as suas coisas. / E se, um dia, o Messias levantasse / como um vento o país, eu teria estado / entre todos os seus, para a luta / obscura ou para súbdito. E pelo contrário / como um pedaço de monte desabado / o Senhor por minha casa, e cheia / de imensa felicidade a minha pequena / calma, a minha outra maneira de aguardá-lo.”


Nas sombras que Jesus, Menino e Deus connosco, quer encher de luz, venha até nós a calma de José. A serena confiança de que quando damos tudo a Deus, tudo correrá pelo melhor. A coragem de acolher a vida que vira do avesso os nossos projectos e alarga os horizontes do futuro. O silêncio de quem contempla e escuta, e aprende a entrelaçar as coisas humanas e as divinas. Como José, mesmo na sombra e no silêncio, os nossos gestos de amor levarão, luz, e as palavras, vida!

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
P. Manuel Barbosa, scj
No momento em que traço estas notas, o mundo anda em rebuliço: vastíssimos incêndios a ceifar vidas...
ver [+]

António Bagão Félix
Escreveu Miguel Torga na sua carta ao romancista e poeta brasileiro Ribeiro Couto (“Traço de...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES