Especiais |
Balanço do ano
2019: a confirmação que Lisboa recebe a JMJ em 2022
<<
1/
>>
Imagem

“A próxima Jornada Mundial da Juventude vai decorrer em Portugal”. Foi assim que, a 27 de JANEIRO, o Vaticano confirmava oficialmente, no final da Missa de envio da JMJ Panamá 2019, que Lisboa vai receber a Jornada Mundial da Juventude em 2022. “Vai ser uma Jornada dos jovens para os jovens”, dizia o Cardeal-Patriarca. Antes, a 12 de janeiro, o Papa nomeava D. Nuno Brás como novo Bispo do Funchal, com D. Manuel Clemente a lembrar a “inteligência e qualidade pastoral” do seu antigo Bispo Auxiliar. Neste primeiro mês do ano, o Cardeal-Patriarca dava posse à nova Comissão Histórica da Causa de Canonização do Padre Cruz, o Bispo Auxiliar D. Joaquim Mendes apresentava o Documento Final do Sínodo dos Bispos sobre os Jovens, garantindo que “Deus fala à Igreja e ao mundo através da juventude”, o cónego João Seabra era condecorado pelo Presidente da República, faleciam os padres Raul Cardoso, de 90 anos, que foi pároco de Cascais entre 1970 e 2008, e Félix Tavares Correia, de 84 anos, que esteve sobretudo em paróquias do Oeste, e também o arquiteto Diogo Lino Pimentel, que assumiu na diocese o Secretariado das Novas Igrejas por vários anos, e a Conferência Episcopal Portuguesa garantia “disponibilidade ativa” para ouvir as vítimas de abusos por parte de membros da Igreja. Em Roma, na primeira audiência-geral do novo ano, a 2 de janeiro, o Papa considerou “um escândalo” rezar a Deus, mas odiar o próximo. Na véspera, na Solenidade de Santa Maria, Mãe de Deus, Francisco tinha proposto uma Igreja “de ternura”, que valorize a dimensão materna.

 

O mês de FEVEREIRO começava com a homenagem ao antigo Bispo Auxiliar de Lisboa entre 1975 e 1998, D. António dos Reis Rodrigues, no ano do seu centenário, com a publicação do livro ‘A semente lançada à terra’ (Lucerna). No dia 10, iniciava a Visita Pastoral às dez paróquias da Vigararia Lisboa II, com D. Manuel Clemente a apontar a responsabilização dos jovens como objetivo pastoral, e uma semana depois D. Nuno Brás, que foi Bispo Auxiliar de Lisboa desde 2011, entrava solenemente na Diocese do Funchal e convidava a “não ter medo de depender de Deus”. Neste mês, o Papa Francisco visitou, de 3 a 5, os Emirados Árabes Unidos, onde assinou uma declaração inédita, sobre a fraternidade humana, e presidiu à maior Eucaristia na península arábica. Dias depois, mostrou-se disponível para mediar a crise na Venezuela. O Vaticano recebeu, de 21 a 24, a cimeira sobre ‘A proteção dos menores na Igreja’, para refletir sobre a “monstruosidade dentro da Igreja”, como classificou o Papa, que na sua Mensagem para a Quaresma apelou à “conversão” na relação com a natureza.

 

MARÇO acabava, dia 31, com a ordenação episcopal de D. Américo Aguiar, novo Bispo Auxiliar de Lisboa, a quem o Cardeal-Patriarca reconheceu “grande dedicação” pastoral. Na Mensagem para a Quaresma, D. Manuel Clemente anunciava que o destino da renúncia quaresmal revertia em favor da Cáritas da Venezuela, e no encerramento da Missão País 2019 revelava que o Papa quer que a JMJ Lisboa 2022 seja uma ocasião de “evangelização” e “missão”. Dia 19, falecia, aos 86 anos, D. Maurílio de Gouveia, Arcebispo emérito de Évora que foi Bispo Auxiliar de Lisboa entre 1973 e 1981 e um “Bispo próximo”, segundo o Cardeal-Patriarca. Neste mês, morria ainda o padre José Francisco Faria, a Paróquia da Serafina celebrava 60 anos e era apresentado, na Universidade Católica, o primeiro volume da nova tradução da Bíblia em português. Em Roma, o Papa lamentava a “devastação” provocada pela passagem do ciclone Idai, em Moçambique, e sublinhava que a sua visita a Marrocos, dias 30 e 31, foi “mais um passo” na “estrada do diálogo e do encontro” com os muçulmanos.

 

“CRISTO VIVE: é Ele a nossa esperança e a mais bela juventude deste mundo!” É assim que começa a Exortação Apostólica pós-sinodal ‘Christus vivit’, do Papa Francisco, publicada a 2 de ABRIL. Cinco dias depois, mais de 1200 jovens participaram, em Óbidos, na Jornada Diocesana da Juventude, com o Cardeal-Patriarca a referir que “a expectativa é imensa” para a JMJ Lisboa 2022. Neste mês, a Paróquia do Parque das Nações recebeu o encerramento da Visita Pastoral à Vigararia Lisboa II, Sintra acolheu mais de 500 catequistas na assembleia diocesana e Caldas da Rainha reuniu 5200 escuteiros, no Dia de São Jorge. A 16 de abril, Bento XVI comemorou 92 anos e recebeu a visita de Francisco, que na véspera disse acreditar que a “dor” do incêndio na Catedral de Notre-Dame se vai transformar “em esperança”. Nas celebrações de Páscoa, o Papa denunciou a indiferença – “Perante os inúmeros sofrimentos do nosso tempo, que o Senhor da vida não nos encontre frios e indiferentes”, destacou –, enquanto em Lisboa o Cardeal-Patriarca sublinhou que “a ressurreição de Cristo não é um espetáculo para ver de fora”.

 

MAIO ficou marcado pelo Dia Diocesano da Liturgia (tema do ano no Patriarcado), que decorreu dia 26, na Igreja da Boa Nova, no Estoril, onde D. Manuel Clemente sublinhou que “a liturgia é Evangelho vivo”. Neste quinto mês do ano, em que os bispos portugueses anunciaram a criação de estruturas diocesanas para a proteção de menores, o Seminário dos Olivais abriu portas para “estimular a sensibilidade vocacional”, a nova igreja da Abóboda foi dedicada, a Paróquia de Santo Condestável celebrou o 10.º aniversário da canonização de São Nuno de Santa Maria, os conventos da cidade abriram portas para o ‘Open Conventos’, a Nazaré recebeu a comemoração dos 50 anos do Caminho Neocatecumenal em Lisboa, o Cristo Rei assinalou os 60 anos da inauguração e Lisboa ficou em 2.º lugar no Festival Nacional Jovem da Canção Mensagem. Este foi o mês em que faleceu Jean Vanier, fundador da comunidade ‘A Arca’, e o Arcebispo de Manila, cardeal Tagle, esteve no 13 de maio, em Fátima. De 5 a 7 de maio, o Papa visitou a Bulgária e a Macedónia – viagem em que Aura Miguel, jornalista da Renascença, assinalou a 100.ª viagem a bordo do avião papal – convidando “todos a caminhar pela estrada da fraternidade”.

 

Em JUNHO, no dia 22, o Papa anunciou o tema da JMJ Lisboa 2022: ‘Maria levantou-se e partiu apressadamente’ (Lc 1, 39). “É um tema muito inspirador”, observou D. Manuel Clemente, que uma semana mais tarde presidiu à ordenação de dois presbíteros e seis diáconos permanentes para a diocese. Neste mês, a Quinta das Conchas recebeu a Festa da Família, no dia 16, com o Cardeal-Patriarca a garantir que “o amor de Deus é maior do que as nossas divisões” e a Baixa de Lisboa recebeu a tradicional procissão do Corpo de Deus. Dez anos depois, as Festas em Honra do Divino Espírito Santo regressaram à aldeia do Penedo, em Sintra, a Associação Promotora da Criança, fundada por Madre Teresa de Saldanha, celebrou 160 anos, e a Paróquia de Cascais inaugurou o Centro Pastoral, uma obra sonhada há muito. A Comunidade Vida e Paz anunciou que, em 2018, distribuiu 140 mil ceias às pessoas em situação de sem-abrigo. A Roménia (31 de maio a 2 de junho) foi a quinta viagem apostólica internacional do Papa Francisco em 2019 e serviu para mostrar que “a unidade não exclui a diversidade”. Neste mês, foram ainda publicadas as Mensagens para o Dia Mundial das Missões – que sublinha que “a missão dos cristãos radica-se na paternidade de Deus e na maternidade da Igreja” – e para o III Dia Mundial dos Pobres, que destaca a urgência de dar voz aos marginalizados e excluídos.

 

A Cáritas Diocesana de Lisboa enviou, pela primeira vez, jovens em missão para o estrangeiro, no caso, França – os cinco jovens estiveram, de 20 de JULHO a 4 de agosto, na região da Alsácia. ‘Say Yes – Aprender a dizer sim’ é o nome da proposta formativa para adolescentes, preparada pelo Sector da Catequese e anunciada em julho, tendo em vista a JMJ Lisboa 2022 e que foi assumida pelas dioceses portuguesas. Neste mês em que o conjunto composto pelo Palácio, Basílica, Convento, Jardim do Cerco e Tapada de Mafra foi classificado Património Cultural Mundial da UNESCO, D. Daniel Henriques, Bispo Auxiliar, presidiu à peregrinação internacional aniversária de julho das aparições, em Fátima, e foi apresentado o livro ‘João Seabra à Sua maneira’, obra que percorre os passos do cónego Seabra. O Papa escreveu ao presidente da Síria, Bashar al-Assad, a manifestar “profunda preocupação” com a situação humanitária no país, e iniciou missão o Barco-Hospital do Papa Francisco, que está a cuidar da saúde e do espírito de cerca de 700 mil pessoas.

 

Cerca de 500 ‘escutas’ de Lisboa participaram, até dia 2 de AGOSTO, no 24.º Acampamento Mundial de Escuteiros (Jamboree), que decorreu no Estado da Virgínia Ocidental, nos Estados Unidos. Foram dias de “festa, tolerância e amizade”. A Santa Sé anunciou, dia 29, que o novo Núncio Apostólico em Portugal é D. Ivo Scapolo, que foi saudado pelos bispos portugueses, e, no dia seguinte, terminava no Seminário dos Olivais a Missão Betânia 2. A Paróquia de Paço de Arcos iniciou a comemoração dos 50 anos. Neste mês de férias, o Papa Francisco enviou uma carta aos padres de todo o mundo, a propósito do “momento de tribulação” que estão a viver “nos últimos tempos” devido aos “abusos de poder, de consciência e sexuais por parte de ministros ordenados”.

 

A 1 de SETEMBRO, o Cardeal-Patriarca de Lisboa escreveu uma carta aos diocesanos, convidando a “detetar” quem precisa de “ser centralizado na atenção”. Neste dia, foi também conhecida a “oportuna” nomeação cardinalícia de D. José Tolentino de Mendonça, segundo D. Manuel Clemente. Neste mês, a Paróquia de Oeiras iniciou as comemorações dos 275 anos e a de Agualva-Cacém os 60 anos, foram benzidas as novas instalações do Colégio da Boa Nova, o Círio da Prata Grande chegou à Paróquia da Terrugem e o Círio de Nossa Senhora do Cabo a Lousa, e a Vigararia da Amadora venceu o XXIV Festival Diocesano da Canção Cristã. Pela segunda vez, o Papa Francisco visitou África, mais concretamente Moçambique, Madagáscar e Maurícias, de 4 a 10 de setembro, na 31.ª viagem internacional.

 

No Dia da Solicitude, a 18 de OUTUBRO, o Cardeal-Patriarca convidou as paróquias a “centralizar uma periferia”. Uma semana mais tarde, D. Manuel Clemente benzeu a nova sede do COL (Comité Organizador Local) da JMJ Lisboa 2022. No mês em que nasceu o ‘Apoio Cáritas Lisboa’, de ajuda às famílias carenciadas, faleceu a economista Manuela Silva, foram dedicadas as novas igrejas de São Brás, na Amadora, e da Areia Branca, na Lourinhã, a Casa do Gaiato inaugurou a Casa Papa Francisco, com duas respostas sociais, os acólitos encontraram-se nas Caldas da Rainha no encontro diocesano e foi lançada a primeira pedra da nova casa da Ajuda de Berço, em Benfica. Em Fátima, terminou o Ano Missionário e o Apostolado da Oração celebrou 175 anos. No consistório em que criou 13 novos cardeais, incluindo D. Tolentino, o Papa pediu-lhes “compaixão” e atenção a todos. Francisco participou no Sínodo dos Bispos para a Amazónia e canonizou o cardeal Newman.

 

O Cardeal-Patriarca assinalou, a 15 de NOVEMBRO, na Basílica dos Mártires, a canonização de São Bartolomeu dos Mártires. Antes, tinha terminado nos Jerónimos a visita da Imagem Peregrina de Nossa Senhora de Fátima à Vigararia Lisboa III. Neste penúltimo mês do ano 2019, a Conferência Episcopal, reunida em assembleia plenária, lembrava que “os cuidados paliativos são o único caminho realmente humano”, o Bispo Auxiliar de Lisboa D. Joaquim Mendes dava início às comemorações dos 125 anos em Portugal das Franciscanas Missionárias de Maria e a Vigararia Lisboa II era a primeira a organizar a Semana da Caridade. Em Roma, o Papa saudou a Associação de Imprensa de Inspiração Cristã nacional, pelos 25 anos, antes de visitar a Tailândia e o Japão, a quem desejou “paz a prosperidade”.

 

O último mês do ano iniciou com a ordenação, nos Jerónimos, de cinco diáconos, tendo em vista o sacerdócio, a 1 de DEZEMBRO, e com a publicação da Carta Apostólica ‘O Sinal Admirável’, do Papa Francisco, sobre o significado e o valor do Presépio. O Seminário Menor do Patriarcado de Lisboa, em Penafirme, assinalou 20 anos da reinauguração, tal como o Presépio na Cidade, a Paróquia da Ajuda recebeu a Missão Lx e a Vigararia de Vila Franca de Xira-Azambuja organizou a Semana da Caridade. Na 31.ª Festa de Natal da Comunidade Vida e Paz o Cardeal-Patriarca lembrou que “os sem-abrigo são problema de todos”, e na tradicional Mensagem de Natal, transmitida na RTP e na Renascença, lembrou que, “quando se fala em presentes, o mais importante é que cada um de nós também se torne presente onde precisa de estar”.

por Diogo Paiva Brandão
A OPINIÃO DE
Guilherme d'Oliveira Martins
A encíclica «Fratelli tutti» (FT) é uma corajosa invocação de S. Francisco de Assis, a lembrar-nos que...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Deo gratias! No passado dia 10 de Outubro, foi beatificado Carlo Acutis, um jovem italiano de 15 anos, falecido em 2006.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES