Domingo |
À procura da Palavra
Que sabor tem a tua vida?
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO V COMUM Ano A

“Vós sois o sal da terra.

Mas se ele perder a força, com que há-de salgar-se?”

Mt 5, 13


Não gosto de coisas insonsas. E muito menos de pessoas sonsas. E até porque o sal pode ser substituído por imensas ervas aromáticas, por especiarias inebriantes, quando não mesmo por um “piri-piri” ardente, o sabor da comida mistura-se com o sabor da vida. Precisamos que a vida tenha sabor, e entendo que, às vezes, somos nós que o damos e, principalmente, o descobrimos, se não desistimos de o procurar. Encanta-me a incarnação de Cristo que não deixou de parte nenhum dos nossos sentidos. Ele que viu e se deixou ver, ouviu e fez-se ouvir, saboreou e deu a saborear, cheirou e foi cheirado, tocou e foi tocado.


O sal e a luz que Jesus diz sermos todos, surge imediatamente a seguir às Bem-aventuranças no discurso da montanha, em S. Mateus. De algum modo estão a elas ligadas, pois se as vivemos autenticamente tudo tem mais sabor e mais luz. Há aqui uma proposta de re-criação, de uma vida que pode ser nova e é condição para a felicidade inesperada. Habituados a “felicidades” egoístas e insonsas, estaremos dispostos a arriscar um salto qualitativo na relação com Deus, com os outros e com o mundo?


Sabemos que o sal conserva e dá sabor. Dá nome ao fruto do trabalho humano que se utiliza para comprar e vender. Serviu para assinalar alianças de sal na Bíblia (Nm 18, 19; 2 Cr 13, 5) exprimindo lealdade e fidelidade. Jesus diz que ele tem uma força que não pode perder-se, sob o risco de ser deitado fora e pisado. Trata-se do “sabor” de viver como Ele. É a vida saborosa, não certamente fácil, dos que vivem como e com Ele a filiação e a fraternidade. Mas é possível os discípulos serem mesmo “sal da terra”?


E que dizer da luz? Primeira obra da criação. O nascimento de uma vida diz-se “dar à luz”. Uma ideia, uma invenção, uma descoberta é também “trazer luz ou trazer à luz”! Ao Baptismo chamam os nossos irmãos orientais “Iluminação”. Ainda que a vida precise desta alternância de luz e escuridão que o sol e a rotação da terra nos proporcionam, ser “luz do mundo” é um campo imenso de responsabilidade.


Uma fé sem sabor nem luz não é fé cristã. É uma anti-fé, dedicada a amargar a vida e a esconder o que é belo, quantas vezes criando imagens azedas e obscurecidas de Deus. Os discípulos de Jesus recebem a missão de dar o sabor da humanidade e o gosto de Deus em cada tempo. Onde a imagem de Deus é desfigurada e Deus separado do homem é preciso ser sal e luz em abundância. Sem perigo de “tensões altas” nem de “luz a mais”, pois o sabor e o saber do amor de Deus não são para esconder!

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
Pedro Vaz Patto
De entre as muitas mensagens que recebi sobre a pandemia do Covid-19, uma reteve especialmente a minha...
ver [+]

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Onde está a Igreja nesta guerra mundial, que é a pandemia do coronavírus? Está, como sempre esteve, na...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES