Roma |
Audiência-geral de quarta-feira
“A paz de Cristo é anular a inimizade e reconciliar”
<<
1/
>>
Imagem

O Papa Francisco refletiu sobre a paz, durante a audiência-geral de quarta-feira, deixando a garantia que “a verdadeira paz” é recebida “de Cristo”. “A sétima Bem-aventurança fala-nos dos pacificadores, dos obreiros da paz, declarando-os felizes «porque serão chamados filhos de Deus». Mas, de que paz se trata? Habitualmente, tende-se a identificar a paz com uma certa tranquilidade, harmonia e equilíbrio interior. Ora, isto nem sempre é verdade! Quantas vezes a inquietude marca um momento importante de crescimento na vida, enquanto a tranquilidade interior se fica a dever apenas a uma consciência adormecida; e então, na vida, o Senhor precisa de nos dar um abanão nestas falsas seguranças. O verdadeiro equilíbrio interior, ou seja, a verdadeira paz, recebemo-la de Cristo, o Filho de Deus. Os obreiros da paz, que serão chamados filhos de Deus, aprenderam e praticam a arte da paz, segundo o modelo que temos em Jesus Cristo e nos foi apresentado na leitura inicial: de dois povos – o povo judeu e o povo dos gentios –, Ele criou em Si próprio um só povo, fazendo a paz por meio da cruz. A paz de Cristo é fazer de dois um só, anular a inimizade e reconciliar. E o caminho para o conseguir é o seu corpo, com o dom da própria vida”, observou Francisco, durante a oitava catequese sobre as Bem-aventuranças, que teve lugar hoje, 15 de abril.

Na Biblioteca do Palácio Apostólico, no Vaticano, o Santo Padre reforçou que “n’Ele são reconciliadas todas as coisas, instaurando-se a paz pelo sangue da sua cruz”. “A paz vem da sua cruz e gera uma humanidade nova, encarnada numa série infinda de pessoas santas, criativas, que sempre inventam caminhos novos para se reconciliar com os seus irmãos. Esta vida de filhos de Deus que, pelo sangue de Cristo, procuram e encontram os seus irmãos, é a verdadeira felicidade”, assegurou.

Aos fiéis de língua portuguesa, o Papa renovou os votos de “uma Páscoa feliz” e deixou uma certeza: “Amados ouvintes de língua portuguesa, «a paz do Senhor esteja com todos vós». Do túmulo onde O fechamos, Cristo Jesus saiu para nós, para trazer a vida onde havia a morte. Ele ressuscitou para nós e não nos deixará faltar nada: apoiados nesta certeza, conseguiremos superar todas as dificuldades. De novo, a todos desejo uma Páscoa feliz, na paz de Cristo”.

 

A OPINIÃO DE
P. Manuel Barbosa, scj
No momento em que traço estas notas, o mundo anda em rebuliço: vastíssimos incêndios a ceifar vidas...
ver [+]

António Bagão Félix
Escreveu Miguel Torga na sua carta ao romancista e poeta brasileiro Ribeiro Couto (“Traço de...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES