Domingo |
À procura da Palavra
Penso nos outros…
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO XIII COMUM

“Se alguém der de beber,

nem que seja um copo de água fresca,

a um destes pequeninos…”

Mt 10, 42


Não tem sido fácil adaptarmo-nos às mudanças que a pandemia da COVID19 exige de nós. Vamos procurando voltar aos estilos de vida que tínhamos “A.C.” (antes de Covid), sem a consciência da fragilidade da saúde e a responsabilidade social que nos é exigida. Já parámos para agradecer algumas evidências como estas? “Que bom o vírus ser destruído com limpeza e desinfecção. Imaginem que ele só desaparecia com sujidade e mau cheiro?”; “Ainda bem que a seca não é tão forte como noutros anos. Conseguimos imaginar as dificuldades das regiões onde não existe água como temos?”; “E a maravilhosa invenção do ‘álcool-gel”, pelo médico Didier Pittet, que doou a patente à OMS, e tem salvo 5 milhões de vidas por ano nos hospitais de todo o mundo?”.

 

É doloroso reconhecer mas, de facto, a humanidade revela melhor a sua grandeza, ou a sua pequenez, nas dificuldades do que na facilidade. Quando algo diz respeito a todos, percebemos o quanto estamos interligados e dependentes. E aí, este vírus e tantas outras ameaças que existiram e existirão, questionam o nosso egoísmo e o lugar que os outros têm na nossa vida. O poeta José Gomes Ferreira numa alusão ao dito de Hamlet e ao famoso princípio de Descartes gravou em palavras este paradigma da existência: “Para além do “ser ou não ser” dos problemas ocos, / o que importa é isto: / - Penso nos outros. / Logo existo.”.

 

O movimento da encarnação de Jesus, (“tornou-se semelhante aos homens” - Flp 2, 7-8) é o mesmo que Ele propõe a todos os discípulos. De nada serve uma religião que não nos re-liga também uns aos outros. Ser humano não é só uma questão de identidade, é um movimento de acolhimento e cuidado por todos. E pela própria criação, pois graças à inteligência e à liberdade, somos dela administradores. A hospitalidade é uma virtude essencial no contexto bíblico. Sem o saberem, muitos acolheram anjos e o próprio Deus em desconhecidos que lhes bateram à porta. Desde Abraão que a Bíblia está repleta do convite a acolher e a fazer o bem a quem quer que seja. Vindo ao mundo, o Filho de Deus faz-se pequenino e sedento de um copo de água que alguém lhe possa dar.

 

O mais humano em nós é abertura e acolhimento. Não nos salvamos sem os outros e sem descobrir com eles a verdade. Dizia o filósofo Karl Jaspers: “Só alcançamos a verdade do nosso pensamento quando incansavelmente nos esforçamos por pensar colocando-nos no lugar de qualquer outro. É preciso conhecer o que é possível ao homem.” E o que é possível ao homem é encontrar Deus também nos outros!

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
Pedro Vaz Patto
No documento de reflexão dos bispos portugueses Recomeçar e Reconstruir, sobre a sociedade a reconstruir...
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
D. António de Sousa Braga, dehoniano, Bispo emérito de Angra, celebrou 50 anos de Sacerdócio a 17 de...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES