Domingo |
À procura da Palavra
Quem vence o medo?
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO XXXIII COMUM

“Porque foste fiel em coisas pequenas,

confiar-te-ei as grandes.”

Mt 25, 23

 

Apreciamos o talento de artistas e génios, pessoas que parecem estar num nível superior aos comuns dos mortais, vindos até, quem sabe, de outra galáxia. Mas é fácil esquecer o trabalho, a persistência e tenacidade de quem não desiste de melhorar. Porque não dá nas vistas, não se gosta de aprender com os erros, não brilha o esforço que nem sempre leva ao sucesso. Ainda no rescaldo das eleições norte-americanas, leio uma citação de Calvin Coolidge, o 30º presidente dos Estados Unidos da América: “Nada no mundo substitui a persistência. O talento não o pode fazer, nada é mais comum do que homens falhados com talento. O génio também não; génios que não foram reconhecidos são quase um provérbio. A formação também não; o mundo está repleto de diplomados fracassados. A persistência e determinação por si só são omnipotentes.”

 

Caminhamos para o final do ano litúrgico num apelo à persistência em não descurar o combate à pandemia do Covid-19. São-nos exigidos sacrifícios vários, confinamentos e limitação de circulação, redução de contactos físicos e hábitos sanitários, também na vida eclesial (e seria estranho pensar o contrário). Se valorizamos a vida uns dos outros em tempo de “normalidade”(?) não é mais importante ainda lutar por ela na adversidade? É preciso determinação para usar todos os talentos ao serviço da saúde, da justiça social, do compromisso ético sustentável, da economia ao serviço das pessoas, da fraternidade que supera os contrastes, da escolha do bem comum. Ou o medo levar-nos-á a enterrar os talentos que nos foram confiados?

 

A parábola dos talentos não fala simplesmente das capacidades de cada pessoa, ou dos dons com que cada um nasce. Fala-nos mais da graça de Deus, do dom que é Jesus Cristo e o Evangelho, capazes de trazer a salvação ao mundo, se o acolhemos e fazemos frutificar. Questiona as comunidades cristãs sobre como colocamos o tesouro da nossa fé a multiplicar-se e a enriquecer todos, se somos dinâmicos e empreendedores ou se a indolência e o medo nos atrofiam. Deus não apresenta plano de instruções: confia, dá liberdade e responsabiliza. Mais do que a quantidade de talentos recebidos (e lembremos que, cada talento, corresponde ao valor de uma vida inteira de trabalho), sublinha-se a determinação e o empenho dos dois primeiros servos, contrapondo a preguiça e o medo do terceiro. É este que não devemos imitar: o seu medo nasceu de uma falsa imagem de Deus, enterrar o talento foi fechar-se nos seus interesses particulares e estéreis.

 

O Deus da alegria e da festa não procura simplesmente a rentabilidade, mas exige que façamos a vida fluir, que o tesouro que somos com Cristo não fique improdutivo, que os bens não sejam para guardar mas para partilhar, que ninguém enterre o que pode produzir maravilhosos bens. Assim derrotamos o medo com persistência, trabalho e confiança naquele que primeiro confia em nós!

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
Isilda Pegado
1. Há momentos em que é a questão de Princípio ou os Valores Civilizacionais, que nos levam a tomar posição.
ver [+]

P. Nuno Amador
A noite é um lugar intrigante, enigmático, ambivalente. Se ela “é mais pura do que o dia”,...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES