Roma |
Missa com os membros dos Institutos de Vida Consagrada e das Sociedades de Vida Apostólica
“Precisamos de mais paciência”, pede o Papa
<<
1/
>>
Imagem
Video

Deus é paciente e “espera por nós, sem nunca se cansar”, garantiu o Papa, na Missa que celebrou com os membros dos Institutos de Vida Consagrada e das Sociedades de Vida Apostólica, por ocasião do XXIV Dia Mundial da Vida Consagrada. Na Basílica de São Pedro, no passado dia 2 de fevereiro, Festa da Apresentação do Senhor, Francisco partiu do exemplo do velho Simeão, cuja chama do seu coração, apesar da sua idade avançada, “se manteve sempre acesa” e nunca perdeu a esperança. Por isso, “os seus olhos viram a salvação”. O Papa explicou que “a paciência de Simeão é espelho da paciência de Deus” e citou Romano Guardini para sublinhar que “a paciência é a forma como Deus responde à nossa fraqueza, para nos dar tempo de mudar”.

Francisco acrescentou ainda que “esta é a razão da nossa esperança: Deus espera por nós, sem nunca se cansar”. “Quando nos afastamos, vem procurar-nos; quando caímos por terra, levanta-nos; quando regressamos a Ele depois de vaguear perdidos, espera-nos de braços abertos. O seu amor não se mede com os pesos dos nossos cálculos humanos, mas sempre nos infunde a coragem de recomeçar”, assegurou, perante os religiosos e religiosas.

 

 

Três «lugares» onde se concretiza a paciência

Francisco sabe como é difícil “ser paciente”. E, nesta homilia, explicou que a paciência “não é simples tolerância das dificuldades nem suportação fatalista das adversidades” e também “não é sinal de fraqueza”, bem pelo contrário. Para o Papa, a paciência é sinal de fortaleza de ânimo que nos torna “capazes de suportar a carga dos problemas pessoais e comunitários” e nos leva a “acolher a diversidade do outro”, a “perseverar no bem, mesmo quando tudo parece inútil” e nos impele “a caminhar, mesmo quando nos assaltam o tédio e a preguiça”.

Especificamente aos religiosos e consagrados presentes na celebração, o Santo Padre, também ele religioso jesuíta, identificou “três «lugares» onde se concretiza a paciência”.

“O primeiro é a nossa vida pessoal”, onde “devemos ter paciência connosco e esperar, confiantes, os tempos e as modalidades de Deus, porque Ele é fiel às suas promessas”.

O segundo lugar onde se concretiza a paciência é “a vida comunitária”, que “requer paciência mútua”, para “suportar e carregar aos próprios ombros a vida do irmão ou da irmã, incluindo as suas fraquezas e defeitos”. O Papa sublinha que “o Senhor não nos chama para ser solistas (e hoje há tantos na Igreja…), mas para fazer parte dum coro, que às vezes desafina, mas sempre deve tentar cantar em conjunto”.

Em terceiro lugar vem a “paciência com o mundo”. Como Francisco não gosta de lamentações, defende que é preciso muita paciência para não acabarmos prisioneiros de lamentações, como por exemplo, “«o mundo já não nos escuta», «já não temos vocações», «temos de fechar a loja», ou «vivemos tempos difíceis»...”

E conclui, em jeito de desabafo: “Às vezes acontece que, à paciência com que Deus trabalha o terreno da história e do nosso coração, opomos a impaciência de quem julga tudo imediatamente. E assim perdemos a esperança, que é a virtude mais pequena e a mais bela”.

A OPINIÃO DE
P. Manuel Barbosa, scj
Acolhendo a Paz como dom de Deus, somos chamados a contruí-la, como tarefa permanente, em todos os...
ver [+]

José Luís Nunes Martins
Será que há um Deus capaz de dar fé a uns, mas a outros não? Será que somos nós que devemos inventar...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES