Domingo |
À procura da Palavra
Dar a vida… em liberdade
<<
1/
>>
Imagem
DOMINGO IV DA PÁSCOA Ano B

“Ninguém Ma tira [a vida],

sou Eu que a dou espontaneamente.”

Jo 10,17

 

Coincide este ano o Domingo do Bom Pastor com o 25 de abril, Dia da Liberdade. E é uma feliz coincidência para reflectir como a experiência da fé cristã e do mandamento do amor precisa ter por base a liberdade: de acreditar, de escolher, de seguir e de amar. Lembra-nos S. Paulo: “Foi para a liberdade que Cristo nos libertou. Permanecei, pois, firmes e não vos sujeiteis outra vez ao jugo da escravidão” (Gal 5, 1). Na sua vida pública, Jesus sempre procurou libertar: da doença, do pecado, da religião condenatória, das falsas ideias sobre Deus e sobre o homem, do preconceito e do julgamento, do medo e da morte. Como não rejubilar por tudo o que liberta e responsabiliza a humanidade no seu crescimento? E conhecendo situações em que a vida é tirada, ganha uma força maior o “dar a vida” que Jesus repete, por cinco vezes, nas oito frases do evangelho de hoje!


Há experiências extremas de fragilidade, em que a vida é posta em causa, difíceis de descrever, e este tempo de pandemia tem-nos colocado no meio de muitas. Tanto mais que se conjuga o desejo de liberdade (de máscaras, de restrições, de confinamentos…) com a necessária responsabilidade que nos revela como “pastores” ou “mercenários” uns dos outros. Em muitos casos não se descobre como aconteceu o contágio. Mas sabemos como o podemos dificultar. E trata-se também de dar, ou não, vida! E quando acontece, confrontamo-nos com as nossas forças, com a fé ou a sua ausência, com a luta ou o desalento. É profundo o testemunho que o psiquiatra Daniel Sampaio partilha no “Expresso”: “Contactei com o desespero, eu que sou habitualmente uma pessoa calma. Foram momentos em que me encontrava desamparado e achava que me devia deixar morrer. Mas encontrei também em mim uma resistência que achava que não tinha. […] Fiz muitos balanços da minha vida e foram sempre positivos. Constatei que o mais importante que fiz foi ter constituído uma família. […] Eu tive uma boa carreira, mas, sem qualquer demagogia, o mais importante que construí foi a família.


Podemos conjugar de muitos modos as imagens do “mercenário” e do “pastor”: um vive centrado em si e o outro volta-se para os outros; um foge nas dificuldades e o outro defende e protege; um serve-se e o outro procura servir; um quer acumular e o outro não desiste de dar; um deseja a glória pessoal e o outro promove o crescimento; um exalta-se e o outro apaga-se. Um e outro, habitam também em nós! Na mensagem que o Papa Francisco escreveu para este Dia Mundial de Oração pelas Vocações, é possível avaliar, à luz de S. José, como respondemos aos chamamentos que Deus nos faz. Com que liberdade e alegria “damos a vida”!

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
José Luís Nunes Martins
i) Deus está na alegria e na tristeza. Está sempre presente, ainda que muitos dos que se sentem alegres...
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Qualquer reforma é um dinamismo permanente na vida das pessoas e instituições. Nesse sentido se entente...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES