Vocações |
58ª Semana de Oração pelas Vocações
Todos rezámos pelas vocações. E vamos continuar a rezar, sempre
<<
1/
>>
Imagem

Vivemos, nos passados dias 18 a 25 de Abril, a 58ª semana de Oração pelas Vocações, guiados pelos conteúdos, especialmente apelativos, produzidos por uma equipa jovem e motivada.

Entre as várias atividades, destacamos o terço diário que foi rezado por Zoom e Facebook. Participaram centenas de fiéis e tivemos a honra da participação de D. Manuel Clemente, Congregações, Departamento da Catequese, Pastoral Universitária, Pastoral da Família, Sector da Juventude, Seminário dos Olivais. Todos rezámos pelas vocações. E vamos continuar a rezar, sempre.

Outro momento que salientamos foi a conferência “Como ajudar alguém a descobrir a sua vocação?”, orientada pelo Padre Bernardo Trocado, diretor do Serviço da Animação Vocacional do Patriarcado de Lisboa, e dirigida a animadores de grupos de Jovens, dirigentes do CNE, catequistas, professores, animadores e todos os que têm a responsabilidade de orientar e formar alguém.

O Padre Bernardo iniciou a conferência perguntado se “É assim tão importante ajudar alguém a descobrir a sua vocação?”. E deu exemplos de alguns santos:

“Será que foi assim tão importante João Paulo II descobrir a sua vocação? Será que foi importante São Pedro descobrir aquilo para o qual foi chamado?”.

Referiu, ainda, “Madre Teresa que desde cedo (12 anos) sentiu a sua vocação.

A semente vocacional estava lançada; no entanto, para germinar, foi importante o cuidado amoroso de alguém que evitou que a semente se perdesse. Essa pessoa foi o pároco Jesuíta da única freguesia católica da sua terra”.

 

De facto, salientou o Padre Bernardo, “a vocação não começa em nós. Nem nas nossas reflexões, ponderações ou apenas nas nossas decisões pessoais. Tal como São José, que era um homem que ponderava, refletia, um homem justo que tomou uma decisão: deixar Nossa Senhora secretamente. “Mas há uma surpresa que irrompe nesta história, que é a surpresa de Deus…”

São José mostra-nos outra forma de viver: passar da autoconstrução para a resposta a Alguém; resposta a Alguém para bem de outros; vivem em Missão para bem de outros; por causa de uma história que é maior que a história individual.

São José é chamado para o bem de Maria e para o bem de Jesus Filho de Deus.

 

Assim, a resposta à pergunta “Como ajudar alguém a descobrir a sua vocação?” é muito mais que descobrir uma informação sobre o futuro, é um trabalho demorado onde tudo é importante.

Ajudar alguém a descobrir a vocação é formar uma personalidade capaz de escutar “Alguém” e capaz de responder a “Alguém”, entregando a vida em missão”.

 

As Etapas para quem é chamado a formar alguém com sinais vocacionais são:

- Olhar para nós mesmos: como está a minha vida. Estou apaixonado por Jesus? A minha vida é uma resposta a Deus? Tem de se ser autêntico;

- Acompanhamento pessoal e rezar por essa pessoa; falar dela/e a Jesus;

- Oferecer silêncio e oração, formando neste sentido. Ensinar a rezar, a conversar com Jesus. Oferecer a Deus, de forma estável, silêncio diário;

- Posicionar-se na “escuta de Deus”, nos vários acontecimentos da vida;

- Formar para dizer “Sim” a Deus diariamente. Os “sins” diários como resposta a Alguém implicam dar a mão a Jesus e deixar-se guiar por Ele até à “terra prometida”;

- Formar humanamente quem se acompanha, criando situações que estimulem o crescimento: evolução na maturidade. Nas palavras do Papa Francisco: “fazer florescer aquele que se é autenticamente”;

- Formar para fazer parte da Igreja: fazer da Igreja a nossa casa e fazer da Igreja um lugar de Missão. Todas as vocações são instrumentos de Deus para a edificação da Sua Igreja;

- Ser responsável por e nesta comunidade, tendo por objetivo criar um ambiente familiar;

- Oferecer experiências de generosidade e de Missão (por ex.:  voluntariado, evangelização); “pôr-se ao serviço” para bem de Deus;

- Falar sobre as vocações: convidar/apresentar testemunhos vocacionais;

 

Em resumo: “Mais importante do que descobrir uma vocação específica, o primeiro chamamento é “Ser de Deus” – criar uma história de amor com Ele através de uma vocação específica.”

texto pelo Serviço da Animação Vocacional do Patriarcado de Lisboa
A OPINIÃO DE
P. Duarte da Cunha
Talvez não sejam os temas mais urgentes, mas são, certamente, emblemáticos, para explicar a necessidade...
ver [+]

Isilda Pegado
1. Está já anunciado na Comunicação Social que deram entrada no Parlamento dois projectos de Lei para ampliar os prazos para a prática do Aborto.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES