Lisboa |
D. Manuel Clemente escreve sobre a nomeação do Cardeal Ribeiro como Patriarca de Lisboa
“Implementou na doutrina e na prática tudo quanto o Concílio dispusera”
<<
1/
>>
Imagem

Foi providencial a nomeação de D. António Ribeiro para Patriarca de Lisboa em 1971. O longo e notável serviço do Cardeal Cerejeira chegava ao fim, tendo já pedido a resignação anos atrás. Também se aproximava do final o quadro sociopolítico em que o país vivia há quatro décadas. Era preciso alguém que estivesse inteirado da situação nacional e internacional, assim como do renovamento eclesial que o Concílio trouxera. Poucos estavam tão bem preparados nesse sentido como o jovem Bispo Auxiliar D. António Ribeiro.

Nascido em 1928 e oriundo da Diocese de Braga, estudara em Roma, viera para Lisboa trabalhar na Ação Católica com diplomados e tivera uma marcante presença televisiva num comentário religioso semanal. Conhecia e era reconhecido pela sua inteligência e isenção. Isto mesmo suscitara reservas governamentais sobre a sua pessoa, quando insistira em aludir à viagem de São Paulo VI ao Congresso Eucarístico de Bombaim em 1964.

Desenvolvia já, como continuou depois durante o seu serviço patriarcal, um convicto apostolado conciliar, quer no respeitante à vida interna da Igreja, quer no respeitante à relação Igreja – Mundo. A carta pastoral do Episcopado, publicada em 1973, no 10.º aniversário da encíclica ‘Pacem in Terris’, é especialmente da sua autoria e oferece um conjunto de análises e indicações que, a partir do “25 de abril”, ressurgiriam no melhor que se conseguiu fazer na sociedade portuguesa, quanto à salvaguarda dos direitos humanos, à participação política e ao serviço do bem comum.

Implementou na doutrina e na prática tudo quanto o Concílio dispusera, no concernente à corresponsabilidade eclesial, à reforma litúrgica, ou à projeção social da fé: são notáveis, neste aspeto, os seus pronunciamentos sobre o urbanismo ou sobre o empenhamento laical. Esteve particularmente atento à pastoral juvenil e à formação sacerdotal.

Creio ser possível identificar o trabalho pastoral de D. António Ribeiro com as linhas de força do pontificado de São Paulo VI, assim como o do seu antecessor, o Cardeal Cerejeira, se identificou com as do Papa Pio XI, sobretudo nos anos trinta. Ambos compreenderam o tempo que lhes coube e protagonizaram-no com lucidez e acerto.

D. Manuel Clemente, Cardeal-Patriarca de Lisboa
A OPINIÃO DE
Isilda Pegado
1. Sinto-lhe o cheiro! Do tempo em que Setembro era o mês de preparar a entrada na Escola. O cheiro...
ver [+]

Tony Neves
Hoje, 1 de setembro, é o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, instituído pelo Papa Francisco...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES