Artigos |
Isilda Pegado
A Sofia, nasceu!

Nasceu, viu e abriu os braços para nós!

A explosão de felicidade, prazer, dificuldades, espanto, risco, exclamação, cuidados, entregas, belezas, confrontos, história, futuro e tantos outros substantivos, corporizam-se nesta bebé acabada de nascer. Os adjetivos ficam calados no nosso coração! É a comoção!

A Felicidade transborda ao ver que tudo é dado, que há uma Perfeição no mundo que não racionalizamos mas percecionamos e sentimos. A felicidade dos pais (lindos!) que se sentem “os escolhidos” por tamanha dádiva numa relação que não carregam, mas abraçam. E que também se sentem abraçados numa família e numa história.

O Espanto, perante a Criação, o percurso de Vida, os caminhos que levam a cada vida e a própria incapacidade para justificar ou fundamentar. Porque tudo está ali, feito, pronto para um caminho.

O Risco, que cada vida comporta, com tantas dúvidas e milhões de opções que naquele minuto em que se vê o cordão umbilical cortado, se abrem na nossa mente. Risco que é mote da vida. Sempre. E por isso, a constante entrega.

A Exclamação, de que há uma vitória sobre o Nada, uma vitória sobre o comodismo ou a resignação. Há uma vitória da ousadia e audácia.

Os Cuidados, que de imediato são necessários e enchem de jubilo todos os que os prestam. Não é um menos, mas um Mais que nos interpela. Estamos Gratos por poder servir.

As Entregas, de todos os que a rodeamos, do tempo e dos modos, da família, dos amigos e dos colegas. Nos presentes ou nas mensagens, tudo se destina a ela.

As Belezas confrontadas com o Infinito e inatingível Belo. A perfeição de um ser cujo lábio, olho, cabelo, osso ou ínfimo pormenor foi Gizado com todo o Saber e cuja dimensão desconhecemos. E contemplamos o Belo, através desta pequenina menina.

Os Confrontos, que apontam as contradições do mundo (de que Ele nos falou) e da vida. Onde se joga a Liberdade, de cada ser, desde o nascimento e ao longo de toda a sua vida.

A História, que cada um carrega consigo, e que se torna carne, se torna real no minuto em que vemos a primeira fotografia. Uma história de gerações e gerações, com ramos de famílias que a nossa memória nem alcança. Com Povos e 3 Continentes, que se misturam e que estão todos presentes naquele bebé deitado sobre o peito da mãe e com o pai curvado sobre elas.

O Futuro é um mar que se abre e que, em cada dia terá cor, luz, temperatura e envolvência diferentes. Sem sabermos o que é amanhã, construímos hoje e fizemos ontem, com a certeza de que tudo tem uma valia que nos supera em grandeza e encontro.

O Futuro que se faz hoje, é verdadeiro porque profundamente radicado no Amor. A entrega ao Amor, silenciosa e às vezes até silenciada, gera frutos, mostra virtudes e grandezas inimagináveis. Porque o maior ato de Amor é a vida que nos é totalmente dada, oferecida e acompanhada até ao limite de cada um dos nossos cabelos. Nada se perderá!

A Sofia nasceu, e toda a vida, todas as nossas vidas, os nossos saberes, os nossos escritos e conferências, as nossas certezas e debates ou convicções, se tornam ainda mais reais neste momento.

Obrigado Querida Sofia!