Mundo |
Sismo de 14 de Agosto provoca situação catastrófica no Haiti
Tragédia sem fim…
<<
1/
>>
Imagem

“As pessoas estão a dormir no chão. Não há água, nem electricidade, nem comida, nem roupa…” Os relatos sucedem-se em tom de tragédia absoluta. O sismo de 14 de Agosto causou milhares de mortos e desalojados no Haiti, fez ruir milhares de habitações e trouxe ainda mais miséria a um dos mais pobres países do mundo.

 

O balanço ainda é provisório. O forte sismo que atingiu o Haiti no passado dia 14 de Agosto provocou cerca de 2.200 mortos, mais de 12 mil feridos, destruiu 53 mil habitações e provocou danos em outras cerca de 77 mil. Há ainda centenas de desaparecidos. Calcula-se que 600 mil pessoas precisam de ajuda humanitária. Este sismo foi quase um golpe de misericórdia para muitas famílias atoladas no desemprego e na pobreza que caracterizam a vida do Haiti, um dos países mais pobres do mundo. A Fundação AIS lançou de imediato uma campanha de ajuda de emergência. Logo nas primeiras horas, quando começaram a surgir notícias do abalo sísmico, a Ajuda à Igreja que Sofre mobilizou-se a nível internacional. Era preciso contactar com os Bispos, padres e religiosas especialmente nas dioceses mais flageladas, no sul do país. Les Cayes, Anse-á-Veau e Jeremie são três dessas dioceses. O Padre Jean-Jacques Saint-Louis, Superior Provincial dos Padres Montfortinos no Haiti, está em Jeremie. As suas palavras retratam a dimensão da catástrofe. “A situação é insustentável. As pessoas estão demasiado assustadas para regressarem às suas casas. Temos que providenciar comida, roupa, água, medicamentos e abrigo temporário. De momento, isto é o mais importante….”

 

Balanço dramático

A Diocese de Jeremie foi das mais afectadas. Nem as estruturas da Igreja foram poupadas, apesar de serem normalmente dos edifícios mais robustos. Pelas informações recebidas entretanto pela Fundação AIS, calcula-se que cerca de metade das igrejas existentes na diocese ficaram danificadas, incluindo a Catedral de São Luís. Mas 11 igrejas não tiveram a mesma sorte e colapsaram por completo. Triste cenário quando existiam ainda cerca de uma dezenas de outras igrejas em ruínas após a passagem do furação Matthew pelo território… O balanço que nos chega do outro lado do Oceano é dramático. Há ainda mais de trinta casas paroquiais danificadas, 25 escolas da igreja e vários centros de saúde destruídos.

A diocese de Las Cayes transformou-se num autêntico cemitério a céu aberto. Em poucas horas após o terramoto já se contabilizavam, só aqui, quase 700 mortos e mais de 2100 feridos. As populações locais, já de si muito pobres, ficaram agora de mãos completamente vazias. Muitos perderam as casas onde viviam. Agora são sem-abrigo. Calcula-se que mais de 11.500 habitações foram danificadas. Também nesta diocese, os edifícios da Igreja foram atingidos com muita violência. 135 igrejas ficaram destruídas e mais de uma centena estão danificadas.

 

Pedido de ajuda e de orações

O Cardeal Chibly Langlois, da diocese de Les Cayes, tem estado em contacto permanente com a Fundação AIS. Providenciar abrigo a quem perdeu tudo é a sua maior prioridade. “Até ao momento, ainda não recebemos nenhuma tenda. As pessoas estão a dormir no chão. Não há água, nem electricidade, nem comida, nem roupa…”, diz-nos. As suas palavras são o retrato da absoluta devastação que atingiu o Haiti. Perante a tragédia, o Cardeal agradece a proximidade e preocupação dos benfeitores da Fundação AIS em Portugal e em todo o mundo. “Agradeço a vossa preocupação para com a nossa diocese. Estou comovido com essa proximidade, especialmente neste momento difícil após o terramoto”, disse o Cardeal. “Milagrosamente, escapámos ilesos, mas muitas pessoas perderam a vida, entre elas o Padre Jacques Percy, um padre reformado que estava hospedado na casa do bispo. Obrigado por se lembrarem dele nas vossas orações”, pediu ainda o Cardeal Langlois à Fundação AIS.

 

Palavras de profunda gratidão

O terramoto do dia 14 de Agosto veio revelar ao mundo a enorme tragédia em que se transformou o Haiti nos últimos anos, vítima de catástrofes naturais e também de uma crónica crise política que se tem transformado também num poderoso obstáculo para a resolução dos problemas do país. Ainda em Junho, o presidente da República, Jovenal Moïse foi assassinado… Neste cenário, as palavras do Bispo de Jeremie, D. Joseph Gontrand Decoste, ganham um relevo ainda maior. Numa mensagem enviada para a Fundação AIS, o prelado fez questão de deixar uma palavra “de profunda gratidão”. “Agradeço a vossa proximidade espiritual, a vossa solidariedade, o vosso apoio moral e espiritual e por toda a ajuda que deram à diocese para lidar com esta situação catastrófica, tão cheia de angústia e sofrimento.” Uma ajuda que, seguramente, se depender dos portugueses, irá continuar a chegar a este martirizado país.

 

_______________

 

A Fundação AIS lançou uma campanha de emergência para a Igreja no Haiti. A sua ajuda é essencial. Saiba mais em www.fundacao-ais.pt ou pelo telefone 217 544 000. Obrigado!

texto por Paulo Aido, Fundação Ajuda à Igreja que Sofre; fotos por Lusa
A OPINIÃO DE
P. Duarte da Cunha
Talvez não sejam os temas mais urgentes, mas são, certamente, emblemáticos, para explicar a necessidade...
ver [+]

Isilda Pegado
1. Está já anunciado na Comunicação Social que deram entrada no Parlamento dois projectos de Lei para ampliar os prazos para a prática do Aborto.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES