Lisboa |
Novos Ministros Extraordinários da Comunhão
“Este ministério não é só um serviço, mas um caminho de santificação”
<<
1/
>>
Imagem

D. Joaquim Mendes lembrou aos novos Ministros Extraordinários da Comunhão das paróquias do Patriarcado que são “chamados à santidade” e a “serem perfeitos no amor”. Na Sé, o Bispo Auxiliar de Lisboa sublinhou ainda o significado deste ministério.

 

“Este ministério não é só um serviço, mas um caminho de santificação. A Igreja ao confiar-vos tão nobre missão, acompanha-vos com a sua solicitude materna e com sua oração e implora para vós uma bênção especial neste dia da vossa nomeação, para que, distribuindo fielmente o pão da vida aos vossos irmãos e confortados com a força do Sacramento da Eucaristia, sejais santos, perfeitos no amor, à semelhança de Deus nosso Pai e possais participar no banquete celeste”, salientou D. Joaquim Mendes, na celebração de Nomeação de novos Ministros Extraordinários da Comunhão (MEC’s), que decorreu na Sé Patriarcal de Lisboa, no passado Domingo, 23 de fevereiro.

Na sua homilia, D. Joaquim Mendes recordou a Instrução ‘Immensae Caritatis’ (29 de janeiro de 1973), do Papa Paulo VI, que cria os Ministros Extraordinários da Comunhão. “Os Ministros Extraordinários da Comunhão nasceram da imensa Caridade de Cristo, nasceram da Eucaristia e para o serviço da Eucaristia, que o Senhor deseja partilhar com todos os seus filhos, nomeadamente com os doentes, com aqueles que estão impedidos de participar na celebração da Eucaristia. Os Ministros Extraordinários da Comunhão nasceram do imenso amor de Cristo pela sua Igreja de que a Eucaristia é testemunho vivo e perene, e são uma concretização desse amor, que a Igreja quer fazer chegar a todos, particularmente aos doentes”, frisou o Bispo Auxiliar de Lisboa.

 

Testemunha do amor de Cristo que brota da Eucaristia

Dirigindo-se depois a cada um dos 213 novos MEC’s, D. Joaquim sublinhou o que é ser Ministro da Comunhão: “A Igreja ao chamar-vos e confiar-vos este ministério, este serviço, reconhece em vós aquela idoneidade e aquele estilo de vida exigidos para o seu desempenho. Ser ministro da Comunhão implica uma relação forte com Jesus Eucaristia e um estilo de vida humilde, digno, coerente, uma exigência particular de santidade. Ser ministro Extraordinário da Comunhão implica um testemunho de comunhão com a Igreja e de unidade com toda a família humana, ser sinal e portador daquele amor universal a todos sem distinção e também aos inimigos, a fazer da bem-aventurança dos construtores de paz um programa de vida, promovendo a reconciliação, a unidade e a paz. Ser Ministro Extraordinário da Comunhão Implica ser testemunha do amor de Cristo que brota da Eucaristia, através de um estilo de vida e de serviço, exemplificado por Jesus nosso Mestre e Senhor no Lava-pés”.

Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Foi há alguns dias que, na espaçosa capela de um colégio, presenciei uma cena que me deu que pensar.
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Celebram-se este ano cem anos do nascimento de Sophia de Mello Breyner, um sinal muito português e universal de talento, sensibilidade e sabedoria.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES