‘Evangelii Gaudium’ |
‘Evangelii Gaudium’ (nº 238 a 258) – Capítulo IV
O diálogo social como contribuição para a paz
<<
1/
>>
Imagem

Quase no fim deste quarto capítulo da Exortação Apostólica ‘A Alegria do Evangelho’, o Papa Francisco, ao refletir sobre a dimensão social da evangelização, sublinha que a evangelização “implica também um caminho um caminho de diálogo” e aponta três campos de diálogo onde a Igreja deve estar presente: “o diálogo com os Estados, com a sociedade e com os outros crentes que não fazem parte da Igreja católica”. “Em todos os casos, observa, ‘a Igreja fala a partir da luz que a fé lhe dá’, oferece a sua experiência de dois mil anos e conserva sempre na memória as vidas e sofrimentos dos seres humanos”, refere, citando também o Papa Bento XVI num discurso à Cúria Romana, em 21 de dezembro de 2012.

“A Igreja proclama o Evangelho da Paz e está aberta à colaboração com a todas as autoridades nacionais e internacionais para cuidar deste bem universal tão grande”. Exemplo desta afirmação ofereceu-nos o próprio Papa Francisco no recente gesto pela paz realizado com os representantes do Médio Oriente, após a sua visita à Terra Santa. “Ao anunciar Jesus Cristo, que é a Paz em pessoa, a nova evangelização incentiva todo o batizado a ser instrumento de pacificação e testemunha credível duma vida reconciliada”. “É hora de saber como projetar, numa cultura que privilegie o diálogo como forma de encontro, a busca de consenso e de acordos, mas sem a separar da preocupação por uma sociedade justa, capaz de memória e sem exclusões”, acentua o Papa Francisco.

Sublinhando que “o cuidado e a promoção do bem comum da sociedade compete ao Estado”, Francisco alerta para o facto de, nas circunstâncias atuais, este papel exigir “uma profunda humildade social”. Porém, refere, “no diálogo com o Estado e com a sociedade, a Igreja não tem soluções para todas as questões específicas. Mas, juntamente com as várias forças sociais, acompanha as propostas que melhor correspondam à dignidade da pessoa humana e ao bem comum”.

 

Diálogo entre a fé, a razão e as ciências

Na continuidade do seu pensamento, Francisco salienta que o “diálogo entre a ciência e fé também faz parte da ação evangelizadora que favorece a paz”. “A fé não tem medo da razão; pelo contrário, procura-a e tem confiança nela, porque  ‘a luz da razão e a luz da fé provêm ambas de Deus’ e não se podem contradizer entre si”, garante, citando o Papa João Paulo II. “Toda a sociedade pode ser enriquecida através deste diálogo que abre novos horizontes ao pensamento e amplia as possibilidades da razão. Também este é um caminho de harmonia e pacificação”, observa.

 

O diálogo ecuménico

“A credibilidade do anúncio cristão seria muito maior se os cristãos superassem as suas divisões e a Igreja realizasse ‘a plenitude da catolicidade que lhe é própria naquele filhos que, embora incorporados pelo Batismo, estão separados da sua plena comunhão”. Por isso, salienta o Papa argentino, “devemos sempre lembrar-nos de que somos peregrinos e peregrinamos juntos. Para isso, devemos abrir o coração ao companheiro de estrada sem medos nem desconfianças”, exorta referindo, ainda, que “o ecumenismo é uma contribuição para a unidade da família humana”.

 

As relações com o judaísmo

Segundo Francisco, deve-se dirigir “um olhar muito especial” ao povo judeu. A Igreja e o povo judeu partilham uma parte importante das Escrituras Sagradas e por isso o Judaísmo não pode ser considerado como “uma religião alheia. Lamentando as “terríveis perseguições” a que foram sujeitos os “filhos de Israel”, Francisco sublinha que “há uma rica complementaridade que nos permite ler juntos os textos da Bíblia hebraica e ajudarmo-nos mutuamente a desentranhar as riquezas da Palavra, bem como compartilharmos muitas convicções éticas e a preocupação comum pela justiça e o desenvolvimento dos povos”.

 

O diálogo inter-religioso

Entre estes diálogos apontados pelo Papa Francisco insere-se também o diálogo inter-religioso que implica “uma atitude de abertura na verdade e no amor”, “apesar dos vários obstáculos e dificuldades, de modo particular os fundamentalismos de ambos os lados”. “Este diálogo inter-religioso é uma condição necessária para a paz no mundo”, garante Francisco, salientando ser, também, “um dever para os cristãos e também para outras comunidades religiosas”.

“Neste diálogo, sempre amável e cordial, nunca se deve descuidar o vínculo essencial entre diálogo e anúncio, que leva a Igreja a manter e intensificar as relações com os não-cristãos”. Por outro lado, Francisco alerta para o facto de que “a verdadeira abertura implica conservar-se firme nas próprias convicções mais profundas, com uma identidade clara e feliz, mas ‘disponível para compreender as do outro’ e ‘sabendo que o diálogo pode enriquecer a ambos’”. Neste sentido, e quase a terminar este quarto capítulo da Exortação, o Papa adverte para “a grande importância” da relação com os crentes do Islão, hoje presentes em muitos países de tradição cristã.

texto por Nuno Rosário Fernandes
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
António Bagão Félix
Na semana passada li uma entrevista com um candidato a deputado (cabeça-de-lista) pelo circulo eleitoral do Porto.
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Com “missão nas férias” não quero propor programas de férias missionárias, nem dizer que a missão está de férias.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES