Domingo |
À procura da Palavra
O que fica...
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO XXXIII COMUM Ano C

“Pela vossa perseverança

salvareis as vossas almas.”

Lc 21, 19

 


O que fica do que passa” é uma expressão de que gosto muito e, afinal, não tão extraordinária como pensava. Bastou uma rápida pesquisa no Google para descobri-la em muitos textos, título de crónicas e várias reflexões, e até de um espectáculo. Pronto lá se perdeu o efeito “surpresa”, mas continuo a gostar dela! Como a peneira do pesquisador de ouro que o ajuda a retirar pequenas pepitas da corrente arenosa de algum rio, assim é o acto de pensar sobre o importante e o essencial, por entre a corrida da vida. Como num velho conto sobre dois amigos, em que um escrevia na areia as ofensas, mas gravava em pedra os gestos de verdadeira amizade do outro!

Devia ser admirável a beleza do Templo de Jerusalém ao tempo de Jesus. Só faltavam lá os turistas a fotografar cada pormenor e a tirar “selfies” para pôr no “Facebook”! Jesus lançou um balde de água fria sobre os piedosos comentários, relativizando a beleza e aparente solidez daquelas pedras com uma frase: “tudo será destruído”! Não foi profeta da desgraça, mas advertia para o essencial: tudo passa, tudo se transforma, só Deus permanece, e a vida com Ele que se chama amor. Assim as perseguições serão ocasião de dar testemunho, as perdas ocasião para valorizar o essencial, os “anéis” que se vão, como diz o provérbio, oportunidade para redescobrir os dedos. Não se trata de consolo barato nem elogio do sofrimento, pois a grande promessa de Jesus é a sua presença nas palavras e na sabedoria, para enfrentar juízes e perseguidores, e até faz uma promessa bem estranha: “nenhum cabelo da vossa cabeça se perderá”! A virtude da perseverança evoca a permanência no essencial, a coragem de escolher o que é mais importante, e dar a vida por isso.

Todo o fim pressupõe uma espera. De alegria antecipada, de medo, de compromisso ou de demissão, muitas podem ser as atitudes de quem espera. S. Paulo aos Tessalonicenses indica que a espera do Senhor se faz trabalhando. É trabalho pelo alimento e pela construção do mundo, levando ao máximo as capacidades e dons de todos. Pobres de nós quando nos limitamos ou limitamos outros nas extraordinárias possibilidades de fazer mais e melhor. Como fazemos de cada dia uma pequena pérola ou pedra preciosa por onde passa o fio invisível do amor? É preciso não temer o fim nem nos demitirmos da esperança, mas aprender a relativizar tudo aquilo que é para passar. No meio do turbilhão de conflitos e guerras, de injustiças e perseguições, a pequena luz do amor de Deus não deixará de brilhar. “Pequenina luz” como diz Jorge de Sena num belíssimo poema: “[...] Tudo é incerto ou falso ou violento: brilha. / Tudo é terror vaidade orgulho teimosia: brilha. / Tudo é pensamento realidade sensação saber: brilha. / Tudo é treva ou claridade contra a mesma treva: brilha. / Desde sempre ou desde nunca para sempre ou não: / brilha. / Uma pequenina luz bruxuleante e muda / como a exactidão como a firmeza / como a justiça. / Apenas como elas. / Mas brilha. / Não na distância. Aqui/ no meio de nós. / Brilha.” A luz que é Deus connosco, o que fica do que passa!

P. Vítor Gonçalves
Na Tua Palavra
Não nos separemos d’Ele!
por D. Nuno Brás
A OPINIÃO DE
P. Gonçalo Portocarrero de Almada
Foi há alguns dias que, na espaçosa capela de um colégio, presenciei uma cena que me deu que pensar.
ver [+]

Guilherme d'Oliveira Martins
Celebram-se este ano cem anos do nascimento de Sophia de Mello Breyner, um sinal muito português e universal de talento, sensibilidade e sabedoria.
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES