Domingo |
À procura da Palavra
Pedir faz bem
<<
1/
>>
Imagem

DOMINGO XVII COMUM Ano C

“Pai,

santificado seja o vosso nome.”

Lc 11, 2

 

Ensinar a rezar os mais pequeninos é das aventuras mais engraçadas que conheço. Contam-me os pais e avós de tantos, que mais do que ensinar, vão aprendendo o jeito simples que as crianças têm de se dirigir a Deus. Parece que, à medida que crescemos, também a nossa oração se vai tornando formal ou funcional (à maneira de algumas atitudes rotineiras). Como se a relação com Deus fosse burocrática, ou estivéssemos envergonhados por Lhe dedicarmos tão pouco tempo!


“Rezo a correr”, “canso-me de estar sempre a pedir”, “não tenho tempo”, são algumas expressões comuns nesta aventura da oração. Claro que a oração tem de andar de mãos dadas com a vida e, talvez a nossa vida precise de pequenas mudanças qualitativas. Mas não vale a pena envergonharmo-nos por “pedir tanto” pois é Jesus quem nos diz para o fazermos. Pedir é abrirmo-nos, com a humildade de quem precisa, alargando ao infinito o horizonte do olhar e da esperança. E quem pede assim, recebe sempre. Não necessariamente o que pediu, mas o que o Pai dá!


Jesus é mestre de oração porque ela está unida com a sua vida. Rezar e respirar são “quase a mesma coisa” para o Senhor. Como se toda a vida pudesse ser oração. E, ainda assim, os evangelhos testemunham-nos esses “momentos íntimos”, roubados ao descanso ou às multidões, que Jesus tem com o Pai. É a sua identificação com a nossa humanidade, recolhendo a aparente fragmentação da vida, que a oração, como fio de colar, une o que anda disperso.


São os “cinco minutos e três quartos” daquele meu amigo que diz não poder começar o dia sem este “bom dia ao Senhor”, ou a “pausa do café e do cigarro” (sem um nem outro) que alguém também usa para um momento de oração! Acima de tudo, dizem, é um tempo de deixar falar o coração. Sem grandes orações (Jesus também só ensinou uma) nem aflições, é a fidelidade a este momento que produz os maiores frutos. É como o “alô” dos namorados, sem outro propósito senão o dizer “estou contigo e sei que estás comigo”! É aí que as crianças ganham aos adultos na transparência das suas orações.


Peguemos neste tempo de férias, pratiquemos a insistência que Jesus nos ensina, não desistamos de pedir aquilo que é importante, e retiremos certas “roupagens” da nossa oração para saborear de novo a espontaneidade das crianças.

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
P. Manuel Barbosa, scj
No momento em que traço estas notas, o mundo anda em rebuliço: vastíssimos incêndios a ceifar vidas...
ver [+]

António Bagão Félix
Escreveu Miguel Torga na sua carta ao romancista e poeta brasileiro Ribeiro Couto (“Traço de...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES