Domingo |
À procura da Palavra
Três versículos
<<
1/
>>
Imagem

SANTÍSSIMA TRINDADE Ano A

“Deus amou tanto o mundo

que entregou o seu Filho Unigénito.”

Jo 3, 16

 

Será acaso talvez, mas as leituras deste domingo da Santíssima Trindade são as mais pequenas de todo o ano litúrgico. Cada uma tem apenas 3 versículos! Pois, e não é dito pelos antigos que “três foi a conta que Deus fez”? São poucas palavras e insistem todas em dizer que “Deus é amor”: “Cheio de misericórdia e fidelidade” (Ex.); “Deus do amor e da paz” (2 Cor); “Deus amou tanto o mundo” (Jo). Nesta semana o Papa Francisco dizia assim: “Deus é Pai à sua maneira: bom, indefeso diante do livre arbítrio do homem, capaz somente de declinar o verbo amar.” Simples e do conhecimento de todos, não é? O aparente nada que é tudo, a definição que não limita, antes irradia e fecunda toda a existência, a surpresa que desmorona todas as presunções. Como dizia S. Boaventura, “Deus é melhor do que tudo o que se pode pensar”!

Acreditar em Deus Trindade é entrar na intimidade que desfaz todas as falsas ideias de Deus. Porque exige abertura à surpresa do amor, abandono do interesse em “usar Deus”, libertação do medo de ser punido e condenado. Quantas imagens de Deus nos afastam do convite que Jesus fez a segui-l’O e descobrir n’Ele Deus que é amor? José Maria Mardones, um sociólogo e teólogo espanhol falecido em 2006, apresentou algumas dessas más imagens de Deus. (Não sei bem como, mas o livro está disponível na net em: https://xtianos.files.wordpress.com/2013/11/88327759-jose-maria-mardones-matar-a-nuestros-dioses.pdf).

São sete as imagens que Mardones convida a transformar: do Deus intervencionista ao Deus intencionista; do Deus dos sacrifícios ao Deus da vida; do Deus da imposição ao Deus da liberdade; dos Deus externo ao Deus que nos rodeia; do deus individualista ao Deus solidário; do Deus violento ao Deus da Paz, do Deus solitário ao Deus trino. É no Deus Trindade que tudo se concentra: aí fazemos a experiência do amor; Deus quer habitar em nós, é “Deus connosco” na pessoa do Filho, e manifesta a loucura do amor nesse “ser para nós”; a oração é expressão da alegria de estar com Ele e saber-nos amados; “ser como Ele” torna-se o nosso lema; no amor irradiante balbuciamos a comunhão com Deus trino e uno. Assim falava ele da oração: “Se Deus vive e está em nós como o abraço amoroso que envolve o universo, então do que se trata é de deixa-se querer. A oração consiste em deixar-se abraçar por Deus.

Para mudar a imagem de Deus podemos acolher e tirar consequências dos versículos das leituras de hoje. Três versículos para repetir interiormente. Para acreditarmos mesmo que somos abraçados pelo Amor que salva. Para irradiar esse amor onde estivermos. Com poucas palavras e todo o Amor!

P. Vítor Gonçalves
A OPINIÃO DE
António Bagão Félix
Há poucos meses, a actual legislatura começou com a excitada prioridade dada à eutanásia travestida de morte clinicamente assistida.
ver [+]

P. Manuel Barbosa, scj
Na normalidade possível da situação de pandemia que vivemos e das férias para quem delas puder usufruir,...
ver [+]

Visite a página online
do Patriarcado de Lisboa
Galeria de Vídeos
Voz da Verdade
EDIÇÕES ANTERIORES